Dimensão formativa da escrita de si: vivências e necessidades de professores em formação inicial

Bruna Viedo Kich, Adriana Claudia Martins

Resumo


Este estudo tem como objetivo avaliar alguns aspectos relevantes das narrativas de professores em formação inicial, os quais envolvem não somente o movimento de escritura de diários de classe e a resistência à escrita, mas também a atividade de leitura desses diários e a tomada de consciência em relação aos acontecimentos da aprendizagem da docência. O contexto da realização da pesquisa deu-se durante o processo formativo de professores nas atividades realizadas no Estágio Supervisionado em Letras, em uma universidade pública do Rio Grande do Sul. Zabalza (2004), Telles (2002), Freire (1995, 1996) e Bakhtin (1992, 2010) são alguns dos teóricos que sustentam esta discussão. Com uma abordagem metodológica qualitativa, de cunho sociocultural (BAKHTIN, 2010, BOLZAN, 2006), elaboramos três categorias de análise: os enfrentamentos da vivência em sala de aula; as frustrações que tangenciaram a formação docente e a necessidade de readaptar-se e emergir. O estudo revela que a formação inicial de professores desenha-se na relação entre os percursos de formação e de autoformação, e nas experiências pessoais, que envolvem tanto os conhecimentos adquiridos quanto estudantes da Educação Básica como a trajetória profissional. Constatamos que o estudante de Letras, ao escrever seus diários e refletir sobre a própria escrita, foi-se constituindo como um profissional autocrítico.


Palavras-chave


Processo formativo docente. Diário de classe. Aprendizagem da docência.

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M.M. A Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes. 1992.

BAKHTIN, M.M. Questões de literatura e de estética: A Teoria do Romance. Tradução Aurora Fornoni Bernardini et al. 6. ed. São Paulo: HUCITEC, 2010.

BAKHTIN, M. M.; VOLOCHÍNOV, V. N. Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Editora HUCITEC, 2010.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora,. Trad. de Plínio Dentzien, 2001.

BOLZAN, D. P. V. Enciclopédia de Pedagogia Universitária: glossário. v. 2. Marília Costa Morosini. (Ed.) Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira/RIES, 2006. 610p.

CHENÉ, A. A narrativa de formação e a formação de formadores. In: NÓVOA, António; FINGER, MATTHIAS (Org). O método (auto)biográfico e a formação. Natal, RN: EDUFRN, p 121-132, 2014.

DELORY-MOMBERGER, C. Biografia e educação: figuras do indivíduo projeto. Natal: EDUFRN, São Paulo: PAULUS, 2008

CONNELLY, F. M.; CLANDININ, D. J. Relatos de experiencia e investigación narrativa. In: LARROSA, Jorge et al. Déjame que te cuente: ensayos sobre narrativa y educación. Barcelona: Editorial Laertes. 1995. p. 15-59.

FERRAROTI, F. História e histórias de vida: o método biográfico nas ciências sociais. Natal, RN: EDUFRN, 2014. Trad. Carlos Eduardo Galvão e Maria Conceição Passeggi.

FERNANDES, D. N.; GARNICA, A. V. M. Temporalidades Distintas: um estudo sobre a formação de professores de matemática no Maranhão. In: FERREIRA, A.C.F.; BRITO, A.J; MIORIM, M.A. (Orgs). Histórias de Formação de Professores que Ensinaram Matemática no Brasil. 1. ed. Campinas: Ilion, 2012, v.1, p. 175-189.

FREIRE, P. À Sombra desta Mangueira. São Paulo: Editora Olho d’agua, 1995.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FONTANA, R. C. Como nos tornamos professores? 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.

JOSSO, M. C. Da formação do sujeito...Ao sujeito da formação. In: NÓVOA, António; FINGER, MATTHIAS (Org). O método (auto)biográfico e a formação. Natal, RN: EDUFRN, p 57-66, 2014.

LIBÂNEO, J. C. Didática. São Paulo: Cortez, 1994.

LEFFA, J. V. (Org.). Aspectos políticos da profissão do professor de Línguas Estrangeiras. O professor de línguas estrangeiras: construindo a profissão. 2. ed. Pelotas: Educat, 2008 pp. 353-376

GARCÍA, C. M. Formação de Professores: para uma mudança educativa. Porto: Porto Editora, 1999.

MOISÉS, L. P. Lição de Casa. In: Aula: aula inaugural da cadeira de semiologia da universidade de França. São Paulo: Cultrix, 2013. pp. 53-107.

NÓVOA, A. Vidas de Professores. 2. ed. Porto: Editora Porto, 1995. p. 11-25.

PINEAU, G.; LE GRAND, J. L. As histórias de vida. Natal, RN: EDUFRN, 2012. Trad. Carlos Eduardo Galvão Braga e Maria da Conceição Passeggi.

POLLAK, M. Memória e Identidade Social. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, 1992, p. 200-212.

PORLÁN, R.; MARTÍN, J. El diario del profesor: un recurso para la investigación en el aula. Sevilla: Díada, 1997.

RODRIGUES, N.C; PRADO, G.V. Investigação Narrativa: construindo novos sentidos na pesquisa qualitativa em educação. Revista Lusófona de Educação. v. 29, pp 89-103, 2015.

SOUZA, E. C. de. Campos y territorios de la indagación (auto)biográfica em Brasil:Redes de investigación y educación rural. Revista Mexicana de Investigación Educativa, v. 19, n. 62, p. 787-808, 2014.

TELLES, J. A. A trajetória narrativa: histórias sobre a prática pedagógica e a formação do professor de línguas. In: GIMENEZ, Telma (org). Trajetórias na formação de professores de línguas. Londrina: Ed. UEL, 2002.

ZABALZA, M. Diários de aula: um instrumento de pesquisa e desenvolvimento profissional. Porto Alegre: Artmed, 2004. Trad. de Ernani Rosa.




DOI: http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321-31301

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrepalavras © 2012. Todos os direitos reservados.
Av. da Universidade, 2683, Benfica, CEP 60020-180, Fortaleza-CE | Fone: (85) 3366.7629
Creative Commons License
Entrepalavras (ISSN: 2237-6321) está licenciada sob Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0.