Tendência de assinatura avaliativa: um estudo de caso exploratório em roteiro de audiodescrição de peça de teatro

Pedro Henrique Lima Praxedes Filho, Sâmia Araújo dos Santos, Lindolfo Ramalho Farias Júnior

Resumo


O estudo ora relatado se insere na área disciplinar da Tradução Audiovisual Acessível quanto à modalidade audiodescrição (AD) para pessoas com deficiência visual. Quanto ao roteiro descritivo de um dado produto (audio)visual, havia a prescrição de que deveria ser neutro. Pesquisa conduzida no Laboratório de Tradução Audiovisual da Universidade Estadual do Ceará comprovou empiricamente que não há neutralidade em roteiros escritos segundo esse parâmetro, o que foi feito via Teoria da Avaliatividade (TA) (MARTIN; WHITE, 2005) no âmbito da Linguística Sistêmico-Funcional. Partindo, agora, do pressuposto de que todos os roteiros de AD são avaliativos, foi nossa intenção dar um passo adiante, estudando estilo interpretativo em AD: a assinatura avaliativa do audiodescritor ou o estilo avaliativo do roteiro. Mais especificamente, o objetivo foi descrever a tendência de assinatura avaliativa do par de audiodescritores da peça teatral infantil ‘A Vaca Lelé’, cujo roteiro de AD foi elaborado em português brasileiro. Metodologicamente, o roteiro foi analisado segundo as categorias da TA tendo em vista encontrarmos padrões de uso avaliativo da língua que pudessem apontar na direção de uma tendência de assinatura avaliativa do par de audiodescritores. Como resultado, encontramos uma tendência de assinatura avaliativa caracterizada por avaliações de ‘atitude’ dos tipos ‘afeto’, ‘julgamento’ e ‘apreciação’ e por avaliações de ‘gradação’ do tipo ‘força’.

Palavras-chave


Audiodescritor; Teoria da Avaliatividade; Assinatura avaliativa

Texto completo:

PDF

Referências


ADERALDO, M. F. Proposta de parâmetros descritivos para audiodescrição à luz da interface revisitada entre Tradução Audiovisual Acessível e semiótica social – multimodalidade. 2014. 206 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2014.

ALMEIDA, J. M. B. O roteiro de audiodescrição do filme de curta-metragem ‘Águas de Romanza’ é neutro? uma pergunta para o sistema de avaliatividade. 2015. 52 f. Monografia (Bacharelado em Letras/Tradução) – Centro de Humanidades, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2015.

BENECKE, B. Audio-description. Meta, Montreal, v. 49, n. 1, p. 78-80, abr. 2004.

FRANCO, E. P. C.; SILVA, M. C. C. C. Audiodescrição: breve passeio histórico. In: MOTTA, M. L. V. de M.; FILHO, P. R. Audiodescrição: transformando imagens em palavras. São Paulo: Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, 2010. cap. 1, p. 23-42.

JAKOBSON, R. On linguistic aspects of translation. In: VENUTI, L. The translation studies reader. Londres e Nova York: Routledge, 2000/1959. cap. 8, p. 113-118.

MARTIN, J. R.; WHITE, P. R. R. The language of evaluation: appraisal in English. Hampshire: Palgrave Macmillan, 2005.

MUNDAY, J. Style and ideology in translation: Latin American writing in English. Londres e Nova York: Routledge, 2008.

NAVARRO, J. J. A inclusão social dos deficientes visuais e a publicidade brasileira: um breve panorama. 2012. 62 f. Monografia (Bacharelado em Publicidade e Propaganda) – Faculdade de Comunicação Social, Universidade de Brasília, Brasília, 2012.

OLIVEIRA JÚNIOR, J. N.; AUTOR1. A (não)neutralidade em roteiros de audiodescrição-AD de filmes de curta-metragem via sistema de avaliatividade. In: CARPES, D. S. Audiodescrição: práticas e reflexões. Santa Cruz do Sul-RS: Catarse, 2016. cap. 2, p. 22-36.

AUTOR1.; MAGALHÃES, C. M. A neutralidade em audiodescrições de pinturas: resultados preliminares de uma descrição via Teoria da Avaliatividade. In: ARAÚJO, V. L. S.; ADERALDO, M. F. Os novos rumos da pesquisa em audiodescrição no Brasil. Curitiba: CRV, 2013. cap. 6, p. 73-87.

_____; _____. Audiodescrições de pinturas são neutras? descrição de um pequeno corpus em português via sistema de avaliatividade. In: PONTES, V. de O.; CUNHA, R. B.; CARVALHO, E. P. de; TAVARES, M. da G. G. A tradução e suas interfaces: múltiplas perspectivas. Curitiba: CRV, 2015. cap. 7, p. 99-130.

RAI, S.; GREENING, J.; PETRÉ, L. A comparative study of audio description guidelines prevalent in different countries. London: Media and Culture Department, Royal National Institute of Blind People, 2010.

SILVA, C. F.; AUTOR1. A (in)existência de neutralidade: um estudo de caso baseado em corpus com roteiros de audiodescrições francesas de filmes via Teoria da Avaliatividade. Letras & Letras, Uberlândia, v. 30, n. 2, p. 367-400, jul./dez. 2014.

SILVA, F. T. dos S. et al. Reflexões sobre o pilar da áudio-descrição: “descreva o que você vê”. Revista Brasileira de Tradução Visual, Recife, v. 4, n. 4, p. 1-19, set./dez. 2010.

SNYDER, J. Audio description: the visual made verbal. In: CINTAS, J. D. The didactics of audiovisual translation. Amsterdam e Philadelphia: John Benjamins, 2008. cap. 12, p. 191-198.

VILARONGA, I. A Dimensão formativa do cinema e a audiodescrição: um outro olhar. In: ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS DA IMAGEM, 2., 2009, Londrina-PR. Anais… Londrina-PR: Universidade Estadual de Londrina, 2009. p. 1056-1063.




DOI: http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321.7.7.2.243-265

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrepalavras © 2012. Todos os direitos reservados.
Av. da Universidade, 2683, Benfica, CEP 60020-180, Fortaleza-CE | Fone: (85) 3366.7629
Creative Commons License
Entrepalavras (ISSN: 2237-6321) está licenciada sob Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0.