O erotismo e o desejo na obra Salomé, de Oscar Wilde

Ana Claudia Pinheiro Dias Nogueira

Resumo


Oscar Wilde traz à tona uma nova mulher em sua versão de Salomé, peça teatral com foco central na personagem bíblica Salomé, que, aos olhos do autor, se mostra conduzida pelos seus desejos e pelo erotismo, que a embriaga e a leva as últimas consequências: beijar os lábios do profeta Iokanaan a qualquer preço. Para isso, a jovem princesa faz a dança dos setes véus para o rei Herodes e comprova que pode ter tudo com sua beleza e sensualidade, mesmo que isso possa lhe valer a vida. Esse artigo pretende mostrar de que forma o erotismo, o desejo, a morte e o corpo conduzem os rumos da versão de Wilde, baseado em obras teóricas como O erotismo, de George Bataille (1987), A dupla chama, de Octavio Paz (1994), O corpo perigoso de Linda Hutcheon. Pode-se perceber, que muitas vezes, para que o desejo possa ser correspondido são necessários grandes sacrifícios, mesmo que isso leve a morte, como consequência e consumação.


Palavras-chave


erotismo; análise literária; feminilidade; obra clássica.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321.5.5.3%20esp.195-206

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrepalavras © 2012. Todos os direitos reservados.
Av. da Universidade, 2683, Benfica, CEP 60020-180, Fortaleza-CE | Fone: (85) 3366.7629
Creative Commons License
Entrepalavras está licenciada sob Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0.