Polidez e impolidez em charges políticas

Maria Elias Soares, Adriana Regina Dantas Martins

Resumo


A polidez pode ser considerada uma estratégia para que as interações entre os atores sociais transcorram de forma harmônica e equilibrada. Os comportamentos impolidos são evidenciados em relação aos atos polidos. Em muitas interações, porém, perceber se um termo é polido ou impolido não depende apenas de fatores linguísticos, mas dos elementos situacionais e dos atores engajados na interação. Nesse sentido, neste artigo, objetivou-se analisar a polidez e a impolidez em duas charges políticas. Para fundamentar a pesquisa, baseamo-nos, especialmente, em Brown e Levinson (1987), Leech (1983) e Culpeper (1996), tomando, como categoria de análise, as estratégias off-record de Brown e Levinson. As análises indicaram que a polidez e a impolidez são notórias nas charges, mesmo sendo as categorias de análise classificadas pelos autores da teoria da polidez como estratégias off-record de polidez. Por conseguinte, os resultados revelaram a importância de aprofundar as reflexões sobre a polidez e a impolidez para perceber que o que é polido ou impolido pode emergir a partir da situação comunicativa, como aconteceu nas charges políticas analisadas.


Palavras-chave


Polidez. Impolidez. Charge.

Texto completo:

PDF

Referências


AUSTIN, J. L. How to do things with words. Oxford: University Press, 1975.

ATTARDO, S. Irony. In: MEY, J. Concise Encyclopedia of Pragmatics. Oxford: Elsevier, 2009, p. 405-407.

BOUTONNET, J. Irony: Stylistic Approaches. In: MEY, J. Concise Encyclopedia of Pragmatics. Oxford: Elsevier, 2009, p. 408-411.

BROWN, P.; LEVINSON, S. Politeness: some universals in language usage. Cambridge: University Press, 1987.

CHARAUDEAU, P.; MAINGUENEAU, D. Dicionário de Análise do Discurso. Coordenação da tradução Fabiana Komesu. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2008.

CULPEPER, J.; BOUSFIELD, D.; WICHMANN, A. Impoliteness revisited: with special reference to dynamic and prosodic aspects. Journal of Pragmatics, Amsterdã, n. 35, p. 1545-1579, 2003.

CULPEPER, J. Towards an anatomy of impoliteness. Journal of Pragmatics, Amsterdã, n. 25, p. 349-367, 1996.

GRICE, H. P. Logic and conversation. New York: Cole and Morgan, eds, 1975, p. 41-58.

HAUGH, M. Intention in Pragmatics. Intercultural Pragmatics. Italy, 2008, p. 99-110.

KANTARA, A. Impoliteness strategies in ‘House M. D’. Lodz Papers in Pragmatics. V. 6, Issue 2, Pages 305-339, February 2011.

KERBRAT-ORECCHIONI, C. Análise da conversação: princípios e métodos. São Paulo: Parábola, 2006.

KIERKEGAARD, S. O Conceito de Ironia Constantemente Referido a Sócrates, trad. br. de Valls, Petrópolis, Vozes, 2006.

LANZA, B. CLARO-QUI-NÃO. BHAZ, Minas Gerais, 15 maio 2020. Colunas, Bruno Lanza. Disponível em: https://bhaz.com.br/claro-qui-nao/#gref. Acesso em: 29 set. 2021, 00:49.

LEAR, J. A case for Irony. Chicago: Harvard University Press, 2011.

LEECH, G.M. Principles of Pragmatics. London: Longman, 1983.

LOPES, M. S. de O. A ironia como produção de humor e crítica social: uma análise pragmática das tiras de Mafalda. Revista (Con) Textos Linguísticos. Vitória, v. 3, n. 3.1, 2009.

OLIVEIRA, A. L. A. M.; CABRAL, T. A. L. Batalhas de MC: um estudo sobre impolidez e categorização axiológica à luz da pragmática. Rev. Est. Ling., Belo Horizonte, v. 28, n. 4, p. 1983 -2004, 2020.

OLIVEIRA, M. L. S. Charge: imagem e palavra numa leitura burlesca do mundo. In: AZEREDO, J. C. Letras & Comunicação: uma parceria para o ensino de língua portuguesa. Petrópolis: Vozes, 2001.

PAIVA, G. M. F. A polidez linguística em sala de bate-papo na internet. 2008, 294f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal do Ceará, 2008. Disponível em: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/5879 Acesso em: 29 set. 2021.

PITASSE, M. “Com tantos absurdos, fazer charge ficou mais fácil e arriscado”, diz cartunista. Brasil de Fato, Rio de Janeiro, 17 jun. 2020. Política. Disponível em: https://www.brasildefato.com.br/2020/06/17/com-tantos-absurdos-fazer-charge-ficou-mais-facil-e-tambem-arriscado-diz-cartunista. Acesso em: 29 set. 2021, 00:52.

POSSENTI, S. Humor, língua e discurso. São Paulo: Contexto, 2010.

SEARLE, J. R. Speech acts: an essay in the philosophy of language. Cambridge: CUP, 1969.

SILVA, M. A. A ironia de Sócrates nos diálogos de Platão. São Paulo: Clássica, 1995.

SILVA, C. L. M. e. O trabalho com charges na sala de aula. Pelotas, RGS: UFRGS, 2004.

WATTS, R. Politeness. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321-12esp2421

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrepalavras © 2012. Todos os direitos reservados.
Av. da Universidade, 2683, Benfica, CEP 60020-180, Fortaleza-CE | Fone: (85) 3366.7629
Creative Commons License
Entrepalavras (ISSN: 2237-6321) está licenciada sob Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0.