Green Text: um tecnogênero na mídia Facebook?

João Pedro de Andrade Sousa, Marina Rodrigues Falcão, Mayara Arruda Martins

Resumo


Esta pesquisa, apoiada em Bakhtin (2006), Paveau (2021), Swales (1990) e Marcuschi (2010), tenta reconhecer nos Green Texts – doravante GT – a ocorrência, respectivamente, do tripé bakhtiniano, dos traços do tecnogênero, de um propósito comunicativo comum, nessas práticas discursivas que acontecem em mídias digitais, como Facebook. Principalmente nesse ecossistema, o GT tornou-se uma prática muito recorrente, o que culminou numa grande comunidade discursiva, por isso nos limitamos a analisar apenas os textos dessa mídia. Para as análises, como forma de consolidação do nosso objetivo, coletamos e analisamos os textos retirados diretamente dos seus meios de realização, com o intuito de evidenciar, por traços genéricos da sua estrutura esquemática própria, que envolve aspectos multimodais – imagem e texto verbal –, a alta interatividade dos atores sociais envolvidos, e as técnicas de armazenamento, busca e gerenciamento que lhe são particulares. Constatamos, mediante as discussões e análises feitas sobre os GT, a presença de certas peculiaridades próprias desse tecnogênero.


Palavras-chave


Green text. Tecnogênero. Prática discursiva.

Texto completo:

PDF

Referências


de análise do Scrap do Orkut. Revista do GELNE, v. 11, n. 2, p. 38-52, 3 mar. 2009.

ARAÚJO, J. Constelação de gêneros: a construção de um conceito. São Paulo: Parábola Editorial, 2021.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Os gêneros do discurso. 4ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

BHATIA, Vijay K. Análise de Gêneros Hoje. Tradução de Benedito Gomes Bezerra. 2001.

BEAUDOUIN Valérie, 2014. Comment se constituent les genres à l’ère du texte numérique?. IN: D. Ablali, S. Badir e D. Ducard (org.). Documents, textes, œuvres. Perspectives sémiotiques. Rennes: Presses Universitaires de Rennes, p. 153-166.

CAVALCANTE, M. M. Compósitos de gêneros no ambiente digital. Youtube, 2021. Disponível em: . Acesso em: 07 fev. 2022.

CAVALCANTE, M. M.; BRITO, M. A. P.; CUSTÓDIO FILHO, V.; CORTEZ, S. L.; PINTO, R. B. W. S.; PINHEIRO, C. L.. O texto e suas propriedades: definindo perspectivas para análise. Revista (Con)Textos Linguísticos, Vitória (ES), v. 13, n. 25, p. 25-39, 2019.

KAY, HEATHER, AND TONY DUDLEY-EVANS. “Genre: What teachers think.” (1998): 308-314.

MARCUSCHI, L. A.. Gêneros textuais emergentes no contexto da tecnologia digital. In: MARCUSCHI, L. A.; XAVIER, A. C. (Orgs.). Hipertexto e gêneros digitais. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

MARTIN, B.; HANINGTON, B.. Universal Methods of Design. Estados Unidos: Rockport, 2012.

PAVEAU, M-A. Análise do discurso digital: dicionário das formas e das práticas. Organização de Júlia Lourenço Costa e Roberto Leiser Baronas. São Paulo: Pontes, 2021.

SWALES, J. M. Genre analysis: English in academic and researching settings. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.




DOI: http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321-12esp2413

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrepalavras © 2012. Todos os direitos reservados.
Av. da Universidade, 2683, Benfica, CEP 60020-180, Fortaleza-CE | Fone: (85) 3366.7629
Creative Commons License
Entrepalavras (ISSN: 2237-6321) está licenciada sob Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0.