Representações de professores sobre ensino remoto na transição das aulas presenciais às remotas on-line

Paulo Ricardo Ferreira Pereira, Denise Lino de Araújo

Resumo


Este trabalho justifica-se por apresentar o ofício do professor em contexto de distanciamento social, dada a pandemia sanitária decorrente da COVID-19 que instaurou crises em diversas instituições sociais. Motivados pelo questionamento – Que crises parecem se sobrepor nos relatos de professores em situação de pandemia? – propomos-nos a investigar representações de professores sobre ensino remoto no cenário de transição das aulas presenciais às remotas on-line. Especificamente, reconhecemos como objetivos: i) identificar representação(ões) de professores sobre ensino remoto em contexto de distanciamento social; ii) verificar recepção de professores sobre a implantação do ensino remoto no cenário de transição do ensino presencial ao on-line. Teoricamente, partimos de considerações sobre educação mediada por tecnologias digitais, ensino remoto, letramento digital, representações sociais e profissionais. Metodologicamente, este estudo se insere no paradigma qualitativo com abordagem netnográfica. Os dados foram gerados através de formulário on-line e de sessões com grupo focal on-line. Para amostragem, elegemos o corpus desenvolvido na primeira sessão com um professor de Português e um professor de Biologia. Ao identificarmos que os participantes compreendem o ensino remoto como uma medida emergencial, verificamos que a transição das aulas não ocorreu de forma pacífica, pois foram surpreendidos pela implantação e não se sentem representados pelas intervenções governamentais. Os dados parecem indiciar uma crise instaurada na condição de atuação da classe, visto que há uma sobreposição de barreiras opacas entre as ações profissionais e familiares. O ambiente antes familiar é “invadido” pelo espaço profissional, constituindo um espaço de desterritorialização/reterritorialização que implica nas práticas educacionais.


Palavras-chave


Professor em distanciamento social. Representações Profissionais. Ensino Remoto.

Texto completo:

PDF

Referências


ABDALLA, Maria F. B. Formação, profissionalidade e representações profissionais dos professores: concepções em jogo. Revista de Educação PUC-Campinas, v. 22, n. 2, 2017, maio-agosto, p. 171-190.

ALVES, Roberta B. Entre a rodoviária e a prisão sem muros: sentidos e práticas sobre violência para profissionais de uma rede assistência. Tese (Doutorado em Psicologia) – Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Ciências Humanas e Naturais, 2016.

BLIN, J-F. Représentations, pratiques et identités profissionelles. Paris: L’Harmattan, 1997.

BORDINI, Gabriela S.; SPERB, Tania M. O uso dos grupos concentra-se em sincronização on-line em pesquisa qualitativa. Psicol. estud. Maringá, v. 16, n. 3, p. 437-445, set. 2011.

BORTONI-RICARDO, Stella M. O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: 04 nov. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Gabinete do Ministro. Portaria Nº 343, de 17 de março de 2020. Brasília, 2020.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é a Filosofia?. Lisboa: Presença, 1992.

DIAS-TRINDADE, Sara; CORREIA, Joana D.; HENRIQUES, Susana. O ensino remoto emergencial na educação básica brasileira e portuguesa: a perspectiva dos docentes. Rev. Tempos Espaços Educ., v. 13, n. 32, jan./dez., 2020.

FREIRE, Maria M.; LEFFA, Vilson J. A auto-heteroecoformação tecnológica. In: MOITA LOPES, L. P. (org.). Linguística Aplicada na Modernidade Recente. São Paulo: Parábola, 2013. p. 59-78.

GAMA, Agleice M. O letramento digital e a escola como sua principal agência. Revista Memento, v. 3, n. 1, jan.-jul. 2012.

GINZBRUG, Carlo. Mitos, Emblemas e Sinais: morfologia e história. São Paulo: Cia das Letras, 1989.

GUARESCHI, Pedrinho A.; JOVCHELOVITCH, Sandra. Textos em representações sociais. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

JODELET, Denise. Representações sociais: um domínio em expansão. In: JODELET, Denise (ed.). As representações sociais. Rio de Janeiro: UERJ, 2001. p. 17-44.

KIND, Luciana. Notas para o trabalho com a técnica de grupos focais. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 10, n. 15, p. 124-136, jun. 2004.

KOZINETS, Robert V. Netnografia: Realizando pesquisa etnográfica online. Porto Alegre: Penso, 2014.

LARSEN-FREEMAN, Diane; CAMERON; Lynne. Complex systems and applied linguistics. Oxford: Oxford University Press, 2008.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

LINO DE ARAÚJO, Denise et al. Desengavetando a pandemia de 2020 à luz da educação: tem coisa que só o professor sabe explicar. Campina Grande: Editora Leve, 2020.

MARCUSCHI, Luiz A. Análise da conversação. São Paulo: Editora Ática, 1991.

MARTIN, Alain. Digital Literacy and the “digital society”. In: LANKSHEAR, Colin; KNOBEL, Michele (ed.). Digital Literacies: Concepts, Policies and Practices. New York: Peter Lang Publishing, 2008. p. 151-176.

MILLER, Inés K. Formação de professores de línguas: da eficiência à reflexão crítica e ética. In: MOITA LOPES, Luiz Paulo da. (org.). Linguística aplicada na modernidade recente. São Paulo: Parábola, 2013. p. 99-121.

MOITA LOPES, Luiz Paulo da (org.). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo, Parábola, 2006.

MOITA LOPES, Luiz Paulo da (org.). Linguística aplicada na modernidade recente. São Paulo: Parábola, 2013.

MOITA LOPES, Luiz Paulo da. Entrevista – Linguística Aplicada Indisciplinar. Grau Zero — Revista de Crítica Cultural, v. 3, n. 2, 2015.

MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 1990.

MORIN, Edgar. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

MOSCOVICI, Serge. Representações sociais: investigações em psicologia social. Petrópolis: Editora Vozes, 2007.

MURRAY, Peter J. Using virtual focus groups in qualitative research. Qualitative Health Research, v. 7, n. 4, nov. 1997, p. 542-554.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS). Histórico da pandemia de COVID-19. Disponível em: https://www.paho.org/pt/covid19/historico-da-pandemia-covid-19. Acesso em: 02 abr. 2021.

TARDIF, Maurice; LESSARD, Claude (org.). O ofício do professor: história, perspectivas e desafios internacionais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

XAVIER, Antônio C. Letramento digital e ensino. In: SANTOS, Carmi F.; MENDONÇA, Márcia (org.). Alfabetização e letramento: conceitos e relações. Belo Horizonte: Autêntica, 2005. p. 133-148.




DOI: http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321-32265

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrepalavras © 2012. Todos os direitos reservados.
Av. da Universidade, 2683, Benfica, CEP 60020-180, Fortaleza-CE | Fone: (85) 3366.7629
Creative Commons License
Entrepalavras (ISSN: 2237-6321) está licenciada sob Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0.