Dicionários de Línguas Indígenas e Lexicografia Pedagógica

Cristina Martins Fargetti, Juliana Nazatto Mondini

Resumo


Demonstramos o desenvolvimento de políticas linguísticas que possibilitam ações de educação indígena a partir das línguas nativas. Refletimos sobre estudos do léxico de línguas minoritárias, como as línguas indígenas brasileiras, a relevância de pesquisas de léxico de especialidade, que contribui para obras terminográficas e lexicográficas. Levando em conta a proposta da Terminologia Etnográfica (FARGETTI, 2019), é abordado o campo da culinária entre os juruna do Território Indígena do Xingu, Mato Grosso, e como seu tratamento em vocabulário terminológico pode contribuir para a educação bilíngue intercultural e para o registro de parte importante de uma cultura tupi brasileira. Para isso, uma metodologia específica de trabalho de campo é necessária, com um diálogo entre ciências: a do pesquisador linguista e a do especialista indígena em uma área do saber. Assim, é apresentada uma discussão de verbete em juruna, com suas subentradas, elaborado por Mondini (2014), em comparação com verbete de obra lexicográfica sobre outra língua indígena brasileira, kaingang, o que permite uma contribuição aos Estudos do Léxico e sua utilização no ensino.


Palavras-chave


Dicionário de língua indígena. Educação. Terminologia Etnográfica.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, L. Dicionário Parkatêjê-Português. Belém: Edição da Autora, 2016.

BRASIL. Decreto n. 9.099, de 18 de julho de 2017. Dispõe sobre o Programa Nacional do Livro e do Material Didático. Diário Oficial da União. Brasília, 19 de julho de 2017.

BRASIL. Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União. Edição Extra. Brasília, 26 de junho de 2014.

BRASIL. Lei n. 12.796, de 4 de abril de 2013. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, p. 1, 5 de abril de 2013.

BRASIL. Com direito à palavra: dicionários em sala de aula / [elaboração Egon Rangel]. – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2012.

BRASIL. Indígena na Educação Básica. Brasília: MEC, 2012.

BRASIL. Decreto n. 6.861, de 27 de maio de 2009. Dispõe sobre a Educação Escolar Indígena, define sua organização em territórios etnoeducacionais, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, p. 23, 28 de maio 2009a.

BRASIL. Catálogo de Publicações: projeto 8273 SECAD-MEC/FALE-UFMG – publicação de obras de autoria indígena. Belo Horizonte: UFMG, 2009b. Disponível em . Acesso em: 1º de jun. de 2020.

BRASIL. Portaria n. 13, de 21 de julho de 2005. Institui, no âmbito da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade - SECAD, a Comissão Nacional de Apoio à Produção de Material Didático Indígena - CAPEMA. Diário Oficial da União. Brasília, 25 de julho de 2005.

BRASIL. Convenção n. 169 da OIT (Organização Internacional do Trabalho) Sobre povos indígenas e tribais e resolução referente à ação da OIT sobre povos indígenas e tribais. Brasília: OIT, 2004.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer n. 14 de 14 de setembro de 1999. Diretrizes curriculares nacionais da educação escolar indígena. Diário Oficial Da União, Brasília, 14 set. 1999a.

BRASIL. Resolução n. 003/99. Fixa diretrizes nacionais para o funcionamento das escolas indígenas e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, p. 58, 10 nov. 1999b.

BRASIL. Referencial Curricular Nacional para as Escolas Indígenas. Brasília: MEC, 1998.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996.

BRASIL. Decreto n. 26 de 04 de fevereiro de 1991. Dispõe sobre a educação indígena no Brasil. Diário Oficial da União, Brasília, p. 2487, 04 fev.1991.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Presidência da República, 1988.

CASTILLO CARBALLO, M. A.; GARCÍA PLATERO, J. M. La lexicografía didáctica. In: MEDINA GUERRA, A. M. (coord.). Lexicografía Española. Barcelona: Ariel, 2003, pp. 333-351.

D’ANGELIS, W.R.; FREITAS, M.G.M. Dicionário Kaingâk Paulista: recolha lexical de um dialeto obsolescente. In: D’ANGELIS, W.R.(org.) Revitalização de línguas indígenas – O que é? Como fazemos. Campinas: Editora Curt Nimuendajú, 2019, p.111-132

D’ANGELIS, W.R; GONÇALVES, S. A. (orgs.) Dicionário Kaingâk Paulista – a língua Kaingang no Oeste Paulista. Brasília: FUNAI, 2018.

DURAN, M. S.; XATARA, C. M. Lexicografia Pedagógica: atores e interfaces. D.E.L.T.A., 23:2, 2007, p. 203-222.

FARGETTI, C. M. Para uma Terminologia Etnográfica. In: ZAVAGLIA, C.; NADIN, O. L. (orgs.) De histórias, palavras e dicionários : estudos em homenagem à Clotilde de Almeida Azevedo Murakawa. Campinas, SP : Mercado de Letras, 2019 (Série Estudos do Léxico), p. 137-170.

FERREIRA, H. P. (org.) Dicionário de verbos: português-yanomama. São Paulo: ISA, 2011.

FIGUEIREDO, N.; GUIMARÃES, S.G. (orgs.) Materiais didáticos e para-didáticos em línguas indígenas. Brasília: CAPEMA/SECAD/MEC, 2008. Disponível em . Acesso em: 1º de jun. de 2020.

HERNÁNDEZ, Humberto. Los diccionarios de orientación escolar: contribuición al estudio de la lexicografía monolíngüe española. Tubigen: Niemeyer, 1989.

KRIEGER, M. G. O dicionário de língua como potencial instrumento didático. In: ISQUERDO, A. N.; ALVES, I. M. (orgs.). As Ciências do Léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia. Campo Grande: Ed. UFMS; São Paulo: Humanitas, 2007, p. 295-309.

MOLINA GARCÍA, D. Fraseología bilingüe: un enfoque lexicográfico-pedagógico. Granada: Comares, 2006.

MONDINI, J. N. Yudja Utaha: a culinária juruna no Parque Indígena Xingu - uma contribuição ao dicionário bilíngue juruna-português. 2014. 175 p. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Faculdade de Ciências e Letras (Campus de Araraquara), 2014. Disponível em . Acesso em: 1º de jun. de 2020.

PPP – Projeto Político Pedagógico da Escola Estadual Indígena de Educação Básica Central KAMADU - Povo Yudja, Aldeia Tuba Tuba, 24 de novembro de 2008 (assessoria do Instituto Socioambiental/ISA) (não publicado).

RANGEL, E. O. Dicionários escolares e políticas públicas em educação: a relevância da “proposta lexicográfica”. In: CARVALHO, O.L.S.; BAGNO, M. (orgs.) Dicionários escolares – políticas, formas & usos. São Paulo: Parábola Editorial, 2011, p.37-60.

RANGEL, E. O.; BAGNO, M. Dicionários em sala de aula. Brasília: MEC, Secretaria de Educação Básica, 2006.

RODRIGUES, A. Sobre as línguas indígenas e sua pesquisa no Brasil. In: Ciência e Cultura, vol. 57, n. 2. São Paulo: Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, 2005, p. 35-38.

SCHMITZ, J. R. A problemática dos dicionários bilíngues. In: OLIVEIRA, A.M.P.P; ISQUERDO, A.N. (Orgs.). As Ciências do Léxico: lexicologia, lexicografia, Terminologia. (2ª ed.). Campo Grande: UFMS, 2001, p. 161-170.

SEKI, L. Línguas indígenas do Brasil no limiar do século XXI. In: Impulso, vol. 12, n. 27. SP: Universidade Metodista de Piracicaba, 2000.

STRADELLI, E. Vocabulário Português-Nheengatu/ Nheengatu-Português. Cotia: Ateliê Editorial, 2014 [1929].

VARGAS, M. D. Lexicografia Pedagógica: história e panorama em contexto brasileiro. In: DOMÍNIOS DE LINGU@GEM, v. 12, 2018, p. 1935-1949.

WELKER, H. A. Lexicografia Pedagógica: definições, história, peculiaridades. In: XATARA, C.; BEVILACQUA, C.; HUMBLÉ, P. (orgs.) Lexicografia Pedagógica: Pesquisas e Perspectivas. Florianópolis: UFSC, 2008, p. 9-45.




DOI: http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321-10esp1972

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrepalavras © 2012. Todos os direitos reservados.
Av. da Universidade, 2683, Benfica, CEP 60020-180, Fortaleza-CE | Fone: (85) 3366.7629
Creative Commons License
Entrepalavras (ISSN: 2237-6321) está licenciada sob Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0.