Escrita acadêmica no curso de Geografia: uma análise de experiências discentes

Elizabeth Maria da Silva, Juliana Marcelino Silva

Resumo


Neste artigo, objetiva-se identificar que gêneros são escritos por estudantes de licenciatura em Geografia de uma universidade federal brasileira e em que condições de produção ocorre essa demanda, a partir das próprias experiências deles. Fundamenta-se nos conceitos de gêneros discursivos e suas condições de produção (BAKHTIN, 2003 [1952-1953]). Metodologicamente, desenvolve-se à luz do paradigma interpretativo, enquadrando-se como uma pesquisa de natureza qualitativa (BOGDAN; BIKLEN, 1994), do tipo híbrida – exploratória (GIL, 1994) e experiencial (MICOLLI, 2006, 2014) –, cujos participantes são estudantes do curso referido. Os registros de transcrição das entrevistas semiestruturadas realizadas, que integram um conjunto de dados de uma pesquisa mais ampla sobre a escrita em contextos acadêmicos, são explorados com base na análise de conteúdo (BARDIN, 2002 [1977]). A análise das experiências desses estudantes com a escrita acadêmica evidencia o que escrevem no seu curso, para quem, para que e como. Destacam-se textos pertencentes a diferentes gêneros discursivos, sejam de formação (resenhas, resumos), sejam de especialistas (artigos científicos), tendo pelo menos dois públicos leitores – um mais específico e predominante, situado no âmbito da sala de aula (professor, alunos e monitor da disciplina) e outro mais amplo, situado externamente à sala de aula, mas ainda no âmbito acadêmico (leitores de anais de evento e de capítulos de livro). Esses gêneros são escritos recorrentemente para atender a fins avaliativos, diretos ou indiretos. Para tanto, a demanda geralmente é ancorada na apresentação de modelos (gerais e específicos) dos gêneros a serem escritos e, em alguns casos, é seguida de um feedback do leitor.


Palavras-chave


Escrita acadêmica. Gêneros acadêmicos. Licenciatura em Geografia.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, C. M.; BEZERRA, B. G. Letramentos Acadêmicos: Leitura e Escrita de Gêneros Acadêmicos No Primeiro Ano do Curso de Letras. Diálogos: Revista de Estudos Culturais e da Contemporaneidade, v. 9, p. 5-37, 2013. Disponível em: http://www.revistadialogos.com.br/Dialogos_9/Benedito_Camila.pdf. Acesso em: 4 jul. 2020.

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: Estética da criação verbal. Tradução: Paulo Bezerra. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003 [1952-1953].

BARDIN, F. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2002 [1977].

BATTISTELLA, T. R.; LIMA, M. S. A correção em língua estrangeira a partir de uma perspectiva sociocultural e as crenças de professores sobre o assunto. Revista Brasileira de Linguística Aplicada. Belo Horizonte, v. 15, n. 1, p. 281-302, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbla/v15n1/1984-6398-rbla-15-01-00281.pdf. Acesso em: 3 abr. 2020.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação. Tradução Maria João Alvarez, Sara Bahia dos Santos e Telmo Mourinho Baptista. Porto: Porto Editora, 1994.

BORTONI-RICARDO, S. M. O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola, 2008.

FIORIN, J. L. Introdução ao pensamento de Bakhtin. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2019 [2016].

FISCHER, A.; DIONÍSIO, M. de L. Perspectivas sobre letramentos (s) no ensino superior: objetos de estudo em pesquisas acadêmicas. Atos de pesquisa em educação, v. 6, n. 1, p. 79-93, 2011. Disponível em: http://proxy.furb.br/ojs/index.php/atosdepesquisa/article/view/2349. Acesso em: 12 jan. 2020.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008 [1987].

GOMES, J. R.; MIRANDA, E. O.; SILVA, M. C. de P. Graffitis/pixações: reflexões do diário de campo para a formação docente em Geografia. Rev. Ed. Popular, Uberlândia, v. 17, n.1, p. 145-157, jan./abr. 2018. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/reveducpop/article/view/39206/pdf. Acesso em: 22 mar. 2020.

HEATH. S. B.; STREET, B. On ethnografy: approaches to language and literacy research. New York: Teachers College Press, 2009.

LEA, M. R.; STREET, B. V. Student Writing in higher education: an a academic literacies approach. Studies in Higher Education, v. 23, n. 2, p. 157-172, jun. 1998. Disponível em: https://www.kent.ac.uk/teaching/documents/qualifications/studwritinginhe.pdf. Acesso em: 12 jan. 2020.

LILLIS, T. M. Whose ‘Common Sense’? Essayist literacy and the institutional practice of mystery. In: JONES, C.; TURNER, J.; STREET, B. (org.). Students writing in the university: cultural and epistemological issues. Amsterdam: John Benjamins, 1999. p. 127-140.

MARCUSCHI, L. Análise da conversação. São Paulo: Ática, 1991.

MARINHO, M. A escrita nas práticas de letramento acadêmico. Revista Brasileira de Linguística Aplicada. Belo Horizonte, v. 10, n. 2, p. 363-386, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbla/v10n2/05.pdf. Acesso em: 8 abr. 2020.

MICOLLI, L. A experiência na Linguística Aplicada ao ensino de línguas estrangeiras: levantamento, conceituação, referências e implicações para pesquisa. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 6, n. 2, p. 207-248, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbla/v7n1/11.pdf. Acesso em: 21 dez. 2019.

MORAES, R. Análise de conteúdo. Revista Educação, Porto Alegre, v. 22, n. 37, p. 1-13, 1999. Disponível em: http://pesquisaemeducacaoufrgs.pbworks.com/w/file/fetch/60815562/Analise%20de %20conte%C3%BAdo.pdf. Acesso em: 26 dez. 2018.

MOREIRA, H.; CALEFFE, L. G. Metodologia da pesquisa para o professor pesquisador. 2. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2008.

NAVARRO, F. Aportes para una didáctica de la escritura académica basada en géneros discursivos. D.E.L.T.A., v.35, n. 2, p. 1-32, 2019. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/delta/v35n2/1678-460X-delta-35-02-e2019350201.pdf. Acesso em: 30 dez. 2019.

NEVES-JÚNIOR, B. Práticas de letramento em um curso de Geografia. 2012. 129f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade Federal de São João Del Rei (UFSJ), Minas Gerais, 2012. Disponível em: https://ufsj.edu.br/portal-repositorio/File/mestradoeducacao/Dissertacao%20Bernardino%20Neves%20Junior.pdf. Acesso em: 3 jul. 2020.

OLIVEIRA, H. A. G. O graduando de letras e a escrita: entre representações e vozes como espaço de ação discursiva. 2016. 168f. Dissertação (Mestrado em Linguagem e Ensino) – Faculdade de Letras da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), Campina Grande, 2016. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/0B9_6p7k-tgLQMnZsMTVqS2hrZEk/view. Acesso em: 21 fev. 2020.

OLIVEIRA, H. A. G.; LINO DE ARAÚJO, D. Escrita na graduação em letras: desafios e representações. Raído, Dourados, MS, v. 12, n. 27, p. 185-205, jan./jun. 2017. Disponível em: http://ojs.ufgd.edu.br/index.php/Raido/article/view/5656/3735. Acesso em: 25 mar. 2020.

PEREIRA, R. C. M. (org.). Ateliê de gêneros acadêmicos: didatização e construção de saberes. João Pessoa: Ideia, 2014.

SEIDE, M. S. Descrição de eventos de letramento no primeiro ano de um curso de graduação: plágio, paráfrase e ensino de escrita acadêmica. Domínios de Lingu@gem, Uberlândia, v. 12, n. 1, p. 67-91, jan./mar. 2018. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/38511/21958. Acesso em: 1 abr. 2020.

SILVA, E. M. da. Um estudo de caso da escolarização de textos lidos e produzidos em contexto acadêmico. 2017. 191 f. Tese (Doutorado em Educação e Linguagem) – Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, 2017. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/handle/1843/BUOSAU8K68/tese_de_doutorado___elizabeth_silva___fae_ufmg_2017.pdf?sequence=1. Acesso em: 12 jan. 2020.

SILVA, E. M. da.; CASTANHEIRA, M. L. Práticas de letramento acadêmico: uma análise das condições de produção da escrita em cursos de graduação. Diálogo das Letras, Pau dos Ferros, v. 8, n. 3, p. 2-21, 2019. Disponível em:http://periodicos.uern.br/index.php/dialogodasletras/article/download/4115/2071. Acesso em: 11 jan. 2010.

SILVA, W. R. Escrita do gênero relatório de estágio supervisionado na formação inicial do professor brasileiro. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v.13, n.1, p. 171-195, jan./mar. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbla/v13n1/aop1712.pdf. Acesso em: 20 mar. 2020.

SOUZA, G. S. de; COSTA, R. L. da.; MOREIRA, M. C. de F. O que diz o egresso de um curso de Letras sobre sua formação: argumentação em discursos sobre o ensino superior. Diálogo das Letras, Pau dos Ferros, v. 06, n. 01, p. 387-404, jan./jun. 2017. Disponível em: http://periodicos.uern.br/index.php/dialogodasletras/article/view/2383/1299. Acesso em: 20 mar. 2020.

SPRADLEY, J.P. The ethnographic interview. New York: Holt, Rinehart, & Winston, 1979.

STREET, B. Os novos estudos sobre o letramento: histórico e perspectivas. In: MARINHO, M.; CARVALHO, G. T. (org.). Cultura escrita e letramento. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010. p. 33-53.

WALKER, M. An investigation into written comments on assignments: Do students find them usable? Assessment & Evaluation in Higher Education, v. 34, n. 1, p. 67–78, feb. 2009.

WEAVER, M.R. Do students value feedback? Student perceptions of tutors’ written responses. Assessment and Evaluation in Higher Education, v. 31, n. 3, p. 379–394, june 2006.

WINGATE, U. The impact of formative feedback on the development of academic writing. Assessment & Evaluation in Higher Education, v. 35, n. 5, p. 519-533, aug. 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321-31865

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrepalavras © 2012. Todos os direitos reservados.
Av. da Universidade, 2683, Benfica, CEP 60020-180, Fortaleza-CE | Fone: (85) 3366.7629
Creative Commons License
Entrepalavras (ISSN: 2237-6321) está licenciada sob Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0.