A pronúncia da lateral /l/ no Sudoeste do estado do Paraná

Susiele Machry da Silva, Eduarda Rocha Borghelott, Vanessa de Andrade

Resumo


Vinculada à Sociolinguística Quantitativa (LABOV, 1972), esta pesquisa versa sobre os processos de variação que incidem sobre a realização do /l/ pós-vocálico, em formas como balde e sal, por exemplo. A partir de uma amostra de dados de três cidades da região sudoeste do estado do Paraná: Pato Branco, Francisco Beltrão e Dois Vizinhos, o estudo investiga as possibilidades de realização do /l/ na forma vocalizada [w], velarizada [ł], alveolar [l], ou ainda, como tepe [ɾ]. A amostra foi obtida por meio da realização de instrumentos que contemplavam nomeação, descrição de imagens, leitura de frases e entrevista. Ao todo foram obtidos dados de fala de 08 informantes de cada cidade, estratificados pelas seguintes variáveis sociais: cidade e escolaridade. Os resultados indicam haver, na região, a predominância da forma plena da lateral como alveolar [l], mas há também registros das formas vocalizadas [w], velarizadas [ł], e ainda do uso da variante tepe [ɾ] ou retroflexa.


Palavras-chave


Variação. /l/ Pós-vocálico. Região Sudoeste-PR.

Texto completo:

PDF

Referências


ALTENHOFEN, C.V. Áreas linguísticas do português falado no Sul do Brasil: um balanço das fotografias geolinguísticas do ALERS. In: VANDRESEN, Paulino. Variação e mudança no português falado na região Sul. Pelotas: EDUCAT, 2002. p. 115 – 145.

BATTISTI, E.; MORAS, V. T. A vocalização da consoante lateral em coda silábica em uma variedade de português brasileiro: análise sociolinguística em tempo real. Gragoatá, Niterói, n. 40, p. 90-112, 1º sem 2016.

COLLISCHONN, G; QUEDNAU, L. R. As laterais variáveis da região sul. In: BISOL, L; COLLISCHONN, G. (org). Português do sul do Brasil. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2009. p. 152-173.

COSTA, L. T. Análise variacionista do rotacismo. Revista Virtual de Estudos da Linguagem – ReVEL, v. 5, n. 9, p. 1-29, ago. 2007.

DAL MAGO, D. O comportamento de /l/ pós-vocálico no sul do país. Working papers em linguística, UFSC, n. 2, p. 31-44, jul./dez. 1998.

ESPIGA, J. Influência do espanhol na variação da lateral posvocálica do português da fronteira. 1997. 194 f. Dissertação (Mestrado em Letras) - Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 1997.

ESPIGA, J. A lateral posvocálica na fronteira dos Campos Neutrais. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 37, n. 1, p. 49-68, 2002.

ESPIGA, J. da R. O português dos campos neutrais: um estudo sociolingüístico da lateral posvocálica nos dialetos fronteiriços de Chuí e Santa Vitória do Palmar. 2001. 154 f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2001.

HAHN, L. H; QUEDNAU, L. R. A lateral pós-vocálica no português de Londrinha: análise variacionista e estrutura silábica. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 42, n. 3, p.100-113, 2007.

HORA, D. Vocalização da lateral /l/: correlação entre restrições sociais e estruturais. SCRIPTA, Belo Horizonte, v. 9, n. 18, p. 29-44, 2006.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. 2016. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pr/francisco-beltrao/panorama. Acesso em set. 2019.

JOHNSON, D. Getting of the GoldVarb Standard: introducing Rbrul for mixed-effects variable rule analysis. Language and Linguistics Compass, v. 3, n. 1, 2009.

LABOV, W. Sociolinguistic Patterns. Philadelphia: University Pennsylvania Press, 1972.

LUCHESI, D. A Teoria da Variação Linguística: um balanço crítico. Estudos Linguísticos, São Paulo, v. 41, n. 2, p. 793-805, maio/ago. 2012.

MATTOSO CAMARA, J. Estrutura da Língua Portuguesa. Petrópolis: Vozes, 2007.

ORTOLAN, Adrian A. Aspectos da construção histórica do sudoeste do Paraná e da cidade de Francisco Beltrão. Revista Faz Ciência, v. 9, n. 9, p.11-33, jan./jul. 2007.

PINHO, A. J.; MARGOTTI, F. W. A variação da lateral posvocálica /l/ no português do Brasil. Working Papers linguística, Florianópolis, v. 11, n. 2, p. 67-88, 2010.

QUEDNAU, L. A lateral pós-vocálica no português gaúcho: análise variacionista e representação não-linear. 1993. 109 f. Dissertação (Mestrado em Letras) - Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1993.

SÁ, E. J. O uso variável da lateral /l/ pós-vocálica em posição de coda em português e espanhol. Revista Virtual de Estudos da Linguagem. ReVEL, ano 4, n. 7, p. 1-9, ago. 2006.

SILVA NETO, S. História da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Livros de Portugal, 1970.

TASCA, M. A lateral em coda silábica no Sul do Brasil. 1999. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) - Faculdade de Letras, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1999.

WEINREICH, U.; LABOV, W. HERZOG, M. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. Tradução de Marcos Bagno; revisão técnica de Carlos Alberto Faraco. São Paulo: Parábola, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321-11753

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrepalavras © 2012. Todos os direitos reservados.
Av. da Universidade, 2683, Benfica, CEP 60020-180, Fortaleza-CE | Fone: (85) 3366.7629
Creative Commons License
Entrepalavras (ISSN: 2237-6321) está licenciada sob Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0.