A área de Política Linguística nas licenciaturas em Letras no Brasil

Lília dos Anjos Afonso, Socorro Cláudia Tavares de Sousa

Resumo


Este trabalho tem como objetivo investigar o espaço da Política e Planejamento Linguístico nos currículos das licenciaturas em Letras no Brasil. Para atingirmos tal objetivo, realizamos uma análise textual em 41 ementas provenientes de 34 Projetos Político-Pedagógicos. Identificamos a presença de 13 disciplinas de Política Linguística, bem como conteúdos relacionados à área em 27 outros componentes curriculares. Categorizamos alguns tópicos recorrentes que são: políticas linguísticas para uma língua ou um contexto específico, políticas de ensino de línguas, políticas linguísticas e suas implicações etc.. Os resultados indicam que o conhecimento da dimensão política da língua é uma competência necessária na formação de professores, provendo o futuro docente de uma perspectiva mais ampla de língua, o que pode torná-lo mais preparado para lidar com os diferentes desafios de ser professor em um mundo globalizado, em contexto de falantes de línguas minorizadas, em contextos sociolinguísticos complexos como as regiões de fronteiras, dentre outros.


Palavras-chave


Políticas Linguísticas. Formação de Professores. Ensino de Línguas.

Texto completo:

PDF

Referências


AFONSO, L. A. A Área de Política Linguística nas Licenciaturas em Letras no Brasil. 2017. 108 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2017.

ANDRADE, R. C, O. de. Políticas linguísticas educacionais em Pernambuco: um estudo do eixo de análise linguística. 2016. 196 f. Dissertação (Mestrado em Linguística), Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, 2016.

ARIAS, M. B.; WILEY, T. G. Language policy and teacher preparation: the implications of a restrictive language policy on teacher preparation. De Gruyter Mounton, v. 4, n. 1, p. 83-104, 2013.

BRASIL. Parecer CNE/CES 492/2001. Disponível em: . Acesso em: 06 set. 2017.

BRASIL. Orientações curriculares para o ensino médio: linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2006. v. 1.

CALVET, L.-J. As políticas linguísticas. São Paulo: Parábola Editorial/IPOL, 2007.

COOPER, R. L. Language planning and social change. Cambridge: Cambridge University Press, 1989.

CORREA, D. A. (Org.). Política linguística e ensino de língua. Campinas/S.P.: Pontes, 2014.

FRAGA, L. Políticas linguísticas na formação do licenciado em Letras: uma discussão introdutória. In: CORREA, D. A. (Org.). Política linguística e ensino de língua. Campinas/São Paulo: Pontes Editores, 2014. p. 45-59.

HAUGEN, E. Planning for a standard language in modern Norway. Anthropological Linguistics, p. 8-21, 1959.

JOHNSON, D. C. Language policy. New York: Palgrave Macmilliam, 2013.

KOCH, I. G. V. Argumentação e linguagem. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

MENEZES, V.; SILVA, M. M.; GOMES, I. F. Sessenta anos de Linguística Aplicada: de onde viemos e para onde vamos. In: PEREIRA, R. C.; ROCA, P. (Orgs.). Linguística Aplicada: um caminho com diferentes acessos. São Paulo: Contexto, 2009. p. 25-50.

MENKEN, K.; GARCÍA, O. Introduction. In: MENKEN, K.; GARCÍA, O. (Orgs.). Negotiating language policies in schools. New York: Routledge, 2010. p. 01-10.

OLIVEIRA, G. M. Brasileiro fala português: monolinguismo e preconceito linguístico. In: MOURA, H. M. M.; SILVA, F. L. (Orgs.). O direito à fala: a questão do preconceito linguístico. Florianópolis: Insular, 2000. p. 83-92.

RAJAGOPALAN, K. O professor de línguas e a suma importância do seu entrosamento na política linguística do seu país. In: CORREA, D. A. (Org.). Política linguística e ensino de língua. Campinas/São Paulo: Pontes Editores, 2014. p. 73-82.

RICENTO, T. Historical and theoretical perspectives in language policy and planning. Journal of Sociolinguistics. v. 4, n. 2, p. 196-213, 2000.

SCHIFFMAN, H. F. Linguistic culture and language policy. London/New York: Routledge, 1996.

SCHIFFMAN, H. F. Language policy and linguistic culture. In: RICENTO, T. (Org.) A introduction to language policy: theory and method. Blackwel: London, 2006.

SILVA, E. R. da. A pesquisa em Política Linguística: histórico, desenvolvimento e pressupostos epistemológicos. Trabalhos em Linguística Aplicada. Campinas, n. 52, v. 2, p. 289-320, jul./dez. 2013.

SOUSA, S.C.T.; ROCA, M. del P. Introdução para uma compreensão ampliada de Política Linguística. In: ______. Políticas Linguísticas: declaradas, praticadas e percebidas. João Pessoa: Ideia, 2015. p. 07-32.

SPOLSKY, B. Language policy: key topics in Sociolinguistics. Cambridge: Cambridge University Press, 2004.

SPOLSKY, B. Language Management. Cambridge: Cambridge University Press, 2009.

SPOLSKY, B. The Cambridge Handbook of Language Policy. Cambridge: Cambridge University Press, 2012.

THROOP, R. Teachers as language policy planners: incorporating language policy planning into teacher education and classroom practice. Working Papers in Educational Linguistics, v. 22, n. 2, p. 45-65, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321-31510

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrepalavras © 2012. Todos os direitos reservados.
Av. da Universidade, 2683, Benfica, CEP 60020-180, Fortaleza-CE | Fone: (85) 3366.7629
Creative Commons License
Entrepalavras (ISSN: 2237-6321) está licenciada sob Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0.