Discurso relatado à luz da Semântica Argumentativa e da Gramática Normativa

Aleise Guimarães Carvalho, Erivaldo Perreira Nascimento

Resumo


O caráter normativo e prescritivo da Gramática, dita tradicional, estabelece um padrão específico em relação ao uso de determinadas construções linguísticas, considerando apenas o aspecto estrutural da língua. Sob esse viés, a Gramática Normativa (GN) prescreve alguns fatores correspondentes ao uso e identificação das formas de discurso relatado, em suas variações. A Semântica Argumentativa (SA), por sua vez, propõe a descrição e análise dos sentidos dos enunciados, consequentemente do discurso, a partir da observação das vozes que o locutor coloca em cena na sua enunciação. Diante disso, interessou-nos observar como a GN e os estudos da Polifonia, no âmbito da SA, abordam e compreendem o discurso relatado. Dessa forma, elaboramos um estudo sobre o discurso em estilo direto e estilo indireto – especificamente – pontuando a abordagem apresentada pela SA em paralelo com a abordagem da GN da Língua Portuguesa. Para tanto, utilizamos recortes de ocorrências de enunciados na forma de discurso relatado coletados no gênero acadêmico Projetos de Pesquisa de TCC, de dois cursos distintos de graduação (corpus coletado para pesquisa do nosso mestrado). Como metodologia, adotamos a análise do tipo descritiva-interpretativista, sob as concepções teóricas de Ducrot (1987; 1988); Nascimento (2009; 2015), na perspectiva da Semântica Argumentativa e Cunha (1979); Bechara (2006), na abordagem da Gramática Normativa. Observou-se que a SA apresenta uma possibilidade de análise mais voltada para o funcionamento do discurso relatado, em enunciados reais, enquanto a GN apresenta limitações de análise, dado o caráter eminentemente sintático com que trata o fenômeno pesquisado.


Palavras-chave


Discurso relatado. Semântica Argumentativa. Gramática Normativa.

Texto completo:

PDF

Referências


BECHARA, Evanildo. Moderna gramática portuguesa. 37. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2006.

CUNHA, Celso Ferreira da. Gramática da língua portuguesa. 5. ed. Rio de Janeiro: FENAME, 1979.

DUCROT, Oswald. O dizer e o dito. Tradução por Eduardo Guimarães. Campinas, SP: Pontes. Tradução de Le dire et le dit. 1987.

______. Polifonia y argumentacion. Universidade del Valle - Cali. 1988.

NASCIMENTO, Erivaldo Pereira. Jogando com as vozes do outro: argumentação na notícia jornalística. João Pessoa: Editora Universitária da UFPB, 2009.

______. A polifonia nos gêneros acadêmicos e formulaicos: a construção de sentidos a partir da evocação da palavra alheia. Porto Alegre: Revista Letras de Hoje, v. 50. 2015.

TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática no 1º e 2º graus. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321-21494

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrepalavras © 2012. Todos os direitos reservados.
Av. da Universidade, 2683, Benfica, CEP 60020-180, Fortaleza-CE | Fone: (85) 3366.7629
Creative Commons License
Entrepalavras (ISSN: 2237-6321) está licenciada sob Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0.