A paisagem linguística de um campus universitário fronteiriço: língua e poder em perspectiva

Michelle Lecheta, Isis Ribeiro Berger

Resumo


O presente artigo se propõe a lançar o olhar às intervenções linguísticas explicitadas nas paredes de um campus universitário em Foz do Iguaçu (PR), de modo a compreender de que forma a percepção dessa Paisagem Linguística pode ser uma ferramenta que revele, para além das demandas estudantis impressas nas paredes, questões políticas e socioculturais, inerentes não somente à comunidade acadêmica, mas à sociedade como um todo. Baseamo-nos nos conceitos de Paisagem Linguística (LANDRY; BOURHIS, 1997; SHOHAMY, 2006; SPOLSKY, 2009), buscando expandi-los ao trazer ao diálogo as formulações da Geografia da Visibilidade (GOMES, 2013) acerca da disposição dos elementos na paisagem. Partimos ainda da análise das relações de poder (FOUCAULT, 1979; 1995; 2010; 2014) no sentido de destacar o caráter de resistência dessas intervenções, ao se fazerem presentes em espaços em que se “normatiza” a higienização. Utilizamos, para tanto, a tomada e análise de fotografias dos muros e paredes dos espaços de circulação pública do campus universitário. A análise desses elementos, a partir das motivações de sua produção, sugeriu que a Paisagem Linguística pode se caracterizar como um reflexo da necessidade de representação e visibilidade de determinados grupos.


Palavras-chave


Paisagem linguística. Visibilidade. Poder.

Texto completo:

PDF

Referências


BEN-RAFAEL, Eliezer; SHOHAMY, Elana; AMARA, Muhammad Hasan; TRUMPER-HECHT, Nira. “Linguistic Landscape as Symbolic Construction of the Public Space: The case of Israel”. In: GORTER, Durk (Org.) Linguistic Landscape: A New Approach to Multilingualism. Toronto: Multilingual Matters LTD, 2006. p. 7-30.

BERGER, I. R. Gestão do multi/plurilinguismo em escolas brasileiras na fronteira Brasil – Paraguai: um olhar a partir do Observatório da Educação na Fronteira. 2015. 300 f. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

BERGER, I. R. Territórios linguísticos em escolas na fronteira: reflexões sob a ótica interdisciplinar da Política Linguística. In: SILVA, R. C. M.; MORAES, D. R. S. Interdisciplinaridade e saberes: interlocuções entre fronteiras. Cascavel, P: Edunioeste, 2016.

BERGER, I. R.; ELSENBACH, L. R. J. Gestão do multilinguismo no espaço visual público em Foz do Iguaçu: um estudo sobre a visibilidade da diversidade linguística. Entrepalavras, Fortaleza, v. 7, p. 433-456, ago./dez. 2017.

BRASIL. IBGE. População chega a 205,5 milhões, com menos brancos e mais pardos e pretos. IBGE, 2017. Disponível em: < https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/18282-pnad-c-moradores> Acesso em: 17 set 2018.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade. Curso no Collège de France (1975 – 1976). Tradução de Maria Ermantina Galvão – 2ª ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade 1: a vontade de saber. Tradução Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. 1 ed. São Paulo, Paz e Terra, 2014.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 21ª ed. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

FOUCAULT, M. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, H.; RABINOW, P. (Ed.). Michel Foucault: uma trajetória filosófica para além do estruturalismo e da hermenêutica. Tradução V. P. Carrero. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995. p. 231-249.

GOMES, P. C. C. O lugar do olhar: elementos para uma Geografia da Visibilidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

GORTER, D. Linguistic Landscape: A New Approach to Multilingualism. Toronto: Multilingual Matters LTD, 2006.

LANDRY, R.; BOURHIS, R. Y. Linguistic Landscape and Ethnolinguistic Vitality: An Empirical Study. Journal of Language and Social Psychology. March 1997 vol. 16 no. 1 p. 23-49.

MALINOWSKI, D. Authorship in linguistic landscape: A multimodal performative view. In SHOHAMY, E.; GORTER, D. Linguistic Landscape: Expanding the scenery. New York: Routledge, 2009.

RAYNAUT, C. Interdisciplinaridade: mundo contemporâneo, complexidade e desafios à produção e à aplicação de conhecimento. In: PHILIPPI JR, A.; SILVA NETO, A.J. (Ed.) Interdisciplinaridade em ciência, tecnologia e inovação. Barueri, SP. Ed. Manole, 2011. P.69-105.

SEVERO, C. G. Política (s) Linguística (s) e questões de poder. Alfa Revista de Linguística. UNESP, 2013.

SHOHAMY, E. Language in public space. In: SHOHAMY, E. Language Policy: hidden agendas and new approaches. New York: Routledge, 2006.

SHOHAMY, E; GORTER, D. Linguistic Landscape: Expanding the scenery. New York: Routledge, 2009.

SILVA, I.; PIRES-SANTOS, M.E.; JUNG, N. M. Multilinguismo e política linguística: análise de uma paisagem linguística transfronteiriça. Domínios da Linguagem. vol. 10 n.4 | out. /dez. 2016, p. 1257-1277.

SOARES, M.S. “Só barulho do spray foskando algum tom”: Os grafismos urbanos na paisagem sociolinguística da cidade de Juíz de Fora/MG. 2018. 213 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Federal de Juíz de Fora, 2018.

SPOLSKY, B. Language Management. UK: Cambridge University. Press, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321-21486

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrepalavras © 2012. Todos os direitos reservados.
Av. da Universidade, 2683, Benfica, CEP 60020-180, Fortaleza-CE | Fone: (85) 3366.7629
Creative Commons License
Entrepalavras (ISSN: 2237-6321) está licenciada sob Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0.