Letramento e argumentação no ensino de língua portuguesa

Isabel Cristina Michelan de Azevedo, Glícia Azevedo Tinoco

Resumo


A ressignificação do ensino de língua portuguesa vem sendo realizada por diferentes projetos de intervenção desenvolvidos, sobretudo, por professores vinculados ao Mestrado Profissional em Letras, dentre os quais, alguns já estão engajados em novos projetos em fase doutoral. Desse grande esforço em rede nacional, discutimos, neste artigo, como os estudos de letramento (KLEIMAN, 1995; 2000; STREET 2014 [1995]) e de argumentação (PERELMAN; OLBRECHTS-TYTECA, 1996 [1958]) podem se configurar como aportes para repensarmos o ensino da argumentação. Assim, pretendemos colaborar com as reflexões sobre os estudos da argumentação aplicados ao ensino de línguas, tendo em vista a necessidade de formação de professores em nível de graduação e de pós-graduação. Por concebermos a argumentação como um processo interacional (PLANTIN, 2010 [1996]), discursivo, complexo e multidimensional, objetivamos discutir as características de práticas pedagógicas que pretendem promover pontes entre os usos sociais da escrita e a argumentação, exigência para a formação cidadã. Para tanto, empreendemos um estudo exploratório, de natureza qualitativa e interpretativista, por isso tomamos por referência as pesquisas de Ribeiro (2015) e Aquino (2018) que submeteram o uso da leitura e escrita às necessidades sociais dos estudantes de ensino fundamental. Os resultados apontam que o trabalho com a argumentação pode ser um meio privilegiado para formar sujeitos com posicionamentos políticos que demonstrem raciocínio lógico, plausível e ético dentro e fora da escola.


Palavras-chave


Letramento. Argumentação. Ensino de língua portuguesa.

Texto completo:

PDF

Referências


AQUINO, Jaciara Limeira de. Ressignificação do ensino de argumentação em eventos de letramento. 2018. Tese (Doutorado no Programa de Pós-graduação em Estudos da Linguagem). Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2018.

AZEVEDO, Isabel. C. M. Capacidades argumentativas de professores e estudantes da educação básica em discussão. In: Piris, E. L.; Olímpio-Ferreira, M. (org.). Discurso e Argumentação em múltiplos enfoques. Coimbra: Grácio Editor, 2016. p. 167-190.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (versão final). 2017. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 18.

______. BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: língua portuguesa. Brasília: MEC, 1997.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa Brasília: MEC/SEF, 1998.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais (Ensino Médio). Brasília: MEC, 2000.

______. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Média e Tecnológica. PCN+: Ensino Médio – Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília: MEC, 2002.

DOLZ, Joaquim, SCHNEUWLY, Bernard; PIETRO, Jean-François de. Relato da elaboração de uma a sequência: o debate público. In: SCHNEUWLY, Bernard; DOLZ, Joaquim. Gêneros orais e escritos na escola. Tradução e organização de Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2004. p. 247-278.

FERNANDES, Francisca Vaneíse Andrade. Olimpíada de Língua Portuguesa: ressignificação de práticas de leitura e escrita. 2015, 138f. Dissertação (Mestrado Profissional em Letras) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2015.

FERREIRA, Luiz Antonio. Leitura e persuasão – princípios de análise retórica. São Paulo: Contexto, 2010.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 28. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2003 [1996].

______. Educação e mudança. Trad. Lilian Lopes Martin. 37. ed. rev. e atual. São Paulo: Paz e Terra, 2016.

GRÁCIO, Rui Alexandre. A interacção argumentativa. Coimbra: Grácio Editor, 2010.

HAMILTON, Mary. Expanding the New Literacies Studies: using photographs to explore literacy as social practices. In: BARTON, David; HAMILTON, Mary; IVANIC, Roz (org.). Situated Literacies: Reading and writing in context. London: Routledge, 2000. p. 16-34.

KLEIMAN, Angela B. (org.). Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1995.

______. O processo de aculturação pela escrita: ensino de forma ou aprendizagem da função? In: KLEIMAN, Angela. B.; SIGNORINI, Inês. O ensino e a formação do professor: alfabetização de jovens e adultos. Porto Alegre: Artmed, 2000. p. 223-243.

______. Processos identitários na formação profissional: o professor como agente de letramento. In: CORRÊA, Manoel Luiz Gonçalves; BOCH, Françoise (org.). Ensino de língua: representação e letramento. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2006. p. 75-91.

LEITÃO, Selma. O lugar da argumentação na construção do conhecimento em sala de aula. In: LEITÃO, Selma; DAMIANOVIC, Maria Cristina (org.). Argumentação na escola: o conhecimento em construção. Campinas, SP: Pontes Editores, 2011. p. 13-46.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos da metodologia científica. 7. ed. SP: Atlas, 2010.

MARCUSCHI, Luiz Antonio. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

PERELMAN, Chaïm; OLBRECHTS-TYTECA, Lucie. Tratado da argumentação: a nova retórica. Tradução de Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

PERELMAN, Chaïm. O império retórico. Retórica e Argumentação. 2. ed. Tradução de Fernando Trindade e Rui Alexandre Grácio. Porto: ASA Editores, 1999.

PLANTIN, Christian. A argumentação. Tradução de Rui Alexandre Grácio e Martina Matozzi. Coimbra: Grácio Editor, 2010 [1996].

REBOUL, Olivier. Introdução à retórica. Tradução de Ivone Castilho Benedetti. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

RIBEIRO, Nadja Souza. Literatura em debate: possibilidades para o desenvol­vimento da capacidade argumentativa oral no 9º ano.  2015. 106 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Letras) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2015.

STREET, Brain V. Letramentos sociais. Abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. Tradução de Marcos Bagno. São Paulo: Parábola, 2014 [1995].

TINOCO, Glicia Azevedo. Projetos de letramento: ação e formação de professores de língua materna. 2008, 254f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, 2008.

TINOCO, Glicia Azevedo; AQUINO, Jaciara Limeira de. Debate regrado como evento de letramento. In: Gelne 40 anos. São Paulo: Pá de Palavra. 2018. p. 161-180. v. 2




DOI: http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321-11383

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrepalavras © 2012. Todos os direitos reservados.
Av. da Universidade, 2683, Benfica, CEP 60020-180, Fortaleza-CE | Fone: (85) 3366.7629
Creative Commons License
Entrepalavras está licenciada sob Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0.