A modalização epistêmica asseverativa na construção argumentativa de entrevistas de seleção de emprego

Francisca Janete da Silva Adelino, Erivaldo Pereira do Nascimento

Resumo


A relação entre elementos da língua e a argumentação é concebida, no âmbito da Linguística, como sendo de natureza inseparável. Neste trabalho, objetivamos investigar o funcionamento argumentativo dos modalizadores epistêmicos asseverativos na construção do gênero entrevista de seleção de emprego, a partir da análise de um corpus composto por vinte e duas entrevistas de seleção de emprego.  Para tal, fundamentamo-nos nos estudos sobre a Modalização Discursiva, a partir de Lyons (1977), Palmer (2001), Castilho e Castilho (2002), Koch (2010) e Nascimento e Silva (2012), além dos estudos sobre a argumentação linguística de Ducrot (1988). A análise mostra o funcionamento argumentativo dos modalizadores epistêmicos asseverativos nos pontos de marcação de um comprometimento tanto por parte do entrevistador quanto por parte do entrevistado em relação ao dito. Tais modalizadores avaliam os ditos como incontestáveis, criando a imagem de um locutor comprometido e engajado com o conteúdo de seu dizer. Ademais, a argumentatividade das entrevistas não foi gerada apenas pela utilização de determinadas palavras e expressões, que imprimem o caráter de certeza no enunciado, mas também pelo recurso da entonação de ênfase e pelo recurso da repetição, os quais funcionaram como modalizadores asseverativos em alguns enunciados proferidos pelos entrevistadores (L1) e pelos entrevistados (L2).


Palavras-chave


Argumentação na língua. Modalização epistêmica asseverativa. Argumentação.

Texto completo:

PDF

Referências


ADELINO, F.J.S. Na trilha dos modalizadores: perscrutando os jogos argumentativos no gênero entrevista de seleção de emprego. Tese (Doutorado). 332f. Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, 2016.

CASTILHO, A.T.; CASTILHO, C. M. M de. Advérbios Modalizadores. In: ILARI, R. (Org.). Gramática do Português Falado. 2. ed. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2002, p. 199-247.

CHIAVENATO, I. Recursos Humanos: O capital humano das organizações. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2004

DUCROT, O. Polifonia e argumentação: Conferencía del Seminário Teoria de la Argumentación y Analisis del Discurso. Cali: Universidad del Valle, 1988.

ESPÍNDOLA, L. C. A entrevista: um olhar argumentativo. João Pessoa: EDUFPB, 2004.

FÁVERO, L. L. A entrevista na fala e na escrita. In: PRETI, Dino. (Org.) Fala e escrita em questão. São Paulo: Humanitas, 2000, p. 79-96.

KOCH, I. G. V. A inter-ação pela linguagem. 10. ed. São Paulo: Contexto, 2010.

KOCH, I. G. V. Argumentação e Linguagem. 13. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

LYONS, J. Semantics. Cambridge: Cambridge University Press, 1977.

LODI, J. B. A entrevista: teoria e prática. 8. ed. São Paulo: Pioneira, 1991.

MARCUSCHI, L. A. Produção Textual, Análise de Gêneros e Compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 1998.

MARCUSCHI, L. A. Assimetria, poder e adequação na interação verbal. Investigações: linguística e teoria literária. Recife, v. 5, p. 80-93, dez, 1995.

NASCIMENTO, Erivaldo Pereira do. A modalização deôntica e suas peculiaridades discursivas. Fórum Lingüístico. Florianópolis, v. 7, n. 1, p. 30-45, jan-jun 2010.

NASCIMENTO, E. P. do; SILVA, J. M. da. O fenômeno da modalização: estratégia semântico-argumentativa e pragmática. In: NASCIMENTO, E. P. do (Org.). A argumentação na redação comercial e oficial: estratégias semântico-discursivas em gêneros formulaicos. João Pessoa: Editora da UFPB, 2012. p. 63 – 100.

PALMER, F. R. Mood and modality. Cambridge: Cambridge University Press, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321-11345

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrepalavras © 2012. Todos os direitos reservados.
Av. da Universidade, 2683, Benfica, CEP 60020-180, Fortaleza-CE | Fone: (85) 3366.7629
Creative Commons License
Entrepalavras está licenciada sob Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0.