O uso argumentativo da pressuposição linguística em textos jornalísticos: um estudo sobre editoriais

Marco Antônio Rosa Machado, Drielle Lorane de Souza Mendonça

Resumo


Este artigo tem como objetivo apresentar uma análise do uso argumentativo da pressuposição em dois editoriais jornalísticos da Folha de S. Paulo online, buscando associar o uso desse tipo de implícito às suas contribuições para a construção de sentido do texto e da argumentação. A pressuposição é considerada aqui como um tipo de implícito com expressivo papel discursivo-argumentativo, e como um fenômeno cujo conhecimento é de extrema importância para o domínio da capacidade de compreensão dos possíveis sentidos de um discurso. A escolha do gênero textual editorial possibilitou mostrar o funcionamento da pressuposição em situações reais de uso e estabelecer comparações entre o que é colocado pelos teóricos da área e exemplos reais. A partir de nossas análises e reflexões, percebemos, especificamente nos editoriais, um grande número de ocorrências do fenômeno estudado, em relação aos demais tipos de acionadores de pressupostos, que pouco ocorrem. A ponderação que fazemos sobre esse uso é que, a fim de ampliar os recursos argumentativos e fortalecer os existentes, os autores lançam mão dos pressupostos. 


Palavras-chave


Pressuposição linguística. Semântica. Implícitos.

Texto completo:

PDF

Referências


CABRAL, Ana Lúcia Tinoco. A força das palavras: dizer e argumentar. São Paulo: Contexto, 2010.

CANÇADO, Márcia. Manual de semântica: noções básicas e exercícios. 2. ed. revisada. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2008

DUCROT, Osvald. Princípios de semântica linguística: dizer e não dizer. São Paulo: Cultrix, 1977.

DUCROT, Osvald. O dizer e o dito. Campinas: Pontes, 1987.

FREGE, Gottlob. Sobre o sentido e a referência. In: Lógica e Filosofia da Linguagem. Seleção, introdução, tradução e notas de Paulo Alcoforado. 2. ed. revista e ampliada. São Paulo: EDUSP, 2009. p. 129-158.

KOCH, Ingedore Grunfield Villaça. Argumentação e linguagem. São Paulo: Cortez, 2008.

LAGE, Nilson. Estrutura da notícia. 6. ed. São Paulo: Ática, 2006.

LEVINSON, Stephen C. Pragmática. São Paulo: Martins Fontes, 2007. .

MOURA, Heronides Maurílio de Melo. Significação e contexto: uma introdução a questões de semântica e pragmática. 3. ed. Florianópolis: Insular, 2006.

MELO, José Marques de. A opinião no jornalismo brasileiro. 2. ed. revista. Petrópolis: Vozes, 1994.

OLIVEIRA, Iracelane Ferreira da Silva. Pressuposição: da sentença ao texto. 2014. 102 f. Dissertação (Mestrado em Linguística e Ensino) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2014. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2017.

OLÍMPIO, Hilda de Oliveira. Nominalização, memória discursiva e argumentação. SOLETRAS, Ano VI, N° 12. São Gonçalo: UERJ, jul./dez.2006. Disponível em: . Acesso em: 22 nov. 2017.

SOUZA, Heberth Paulo. A pressuposição linguística na estrutura da língua portuguesa. 2000. 220 f. Dissertação (Mestrado em Língua Portuguesa). Pós-Graduação em Língua Portuguesa. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2000. Disponível em: . Acesso em: 15 ago. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321-21177

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrepalavras © 2012. Todos os direitos reservados.
Av. da Universidade, 2683, Benfica, CEP 60020-180, Fortaleza-CE | Fone: (85) 3366.7629
Creative Commons License
Entrepalavras (ISSN: 2237-6321) está licenciada sob Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0.