A chefa e a presidenta: marcação do gênero feminino e seus reflexos sociais

Élide Elen Santana

Resumo


A flexão de gênero é um fenômeno linguístico que apresenta diversas irregularidades e sua variação divide a opinião de falantes e especialistas. Estão presentes em dicionários do português e em gramáticas normativas (Fernão de Oliveira, 1536; Barbosa, 1822; Said Ali, 1931; BECHARA, 2009; CUNHA; CINTRA, 2008) as variantes não flexionadas “chefe” e “presidente” e as variantes flexionadas “chefa” e “presidenta”. A variedade de formas utilizadas revela incerteza por parte dos falantes e demonstra que a marcação de gênero é um fenômeno que vai além do âmbito linguístico e que reflete estigmas e padrões da sociedade. Este trabalho resulta da dissertação de mestrado da autora (SANTANA, 2015) na qual são apresentadas as formas utilizadas para os conceitos “mulher que chefia” e “mulher na presidência” identificadas em 344 informantes oriundos de 77 localidades da região Nordeste do Brasil segundo os princípios teórico-metodológicos da Geolinguística Pluridimensional (CARDOSO, 2010; CHAMBERS; TRUDGILL, 1994) e da Sociolinguística Variacionista (LABOV, 2008 [1972]). A pesquisa utilizou o corpus composto pelo Projeto Atlas Linguístico do Brasil mediante aplicação in loco do seu questionário linguístico (COMITÊ NACIONAL DO PROJETO ALiB, 2001). Objetivou-se, com isso, verificar os usos linguísticos e as possibilidades de marcação de gênero no português, assim como considerar os estudos de gênero demonstrando o encaixamento sociolinguístico das variáveis.


Palavras-chave


Flexão de gênero. Sociolinguística variacionista. Geolinguística.

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, Jerónimo Soares. Grammatica philosophica da lingua portugueza ou principios de grammatica geral applicados à nossa linguagem. Lisboa: Academia Real das Sciencias, 1822.

BARROS, João de. Grammatica da lingua portuguesa. Olyssipone: apud Lodouicum Rotorigiu[m], Typographum, 1540.

BECHARA, Evanildo. Moderna gramática portuguesa. 37 ed. rev., ampl. e atual. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

CÂMARA JR. Joaquim Mattoso. Estrutura da língua portuguesa. 45. ed. Petrópolis: Vozes, 2013 [1970].

CARDOSO, Suzana Alice. Geolinguística: tradição e modernidade. São Paulo: Parábola Editoria, 2010.

CHAMBERS, J. K.; TRUDGILL, Peter. La Dialectología. Madrid: Visor Libros, 1994.

COMITÊ NACIONAL DO PROJETO ALiB. Atlas Lingüístico do Brasil: questionários 2001. Londrina: Ed. UEL, 2001.

CUNHA, Antônio Geraldo da. Dicionário etimológico Nova Fronteira da língua portuguesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

CUNHA, Celso; CINTRA, Lindley. Nova gramática do português contemporâneo. 5. ed. Rio de Janeiro: Lexikon, 2008.

GONÇALVES, Carlos Alexandre. Processos morfológicos não-concatenativos do português brasileiro: formato morfoprosódico e latitude funcional. ALFA, São Paulo, v. 48, n. 1. p.9-28, 2004.

GOUVEIA, Maria Carmen de Frias e. Algumas mudanças de género em curso no Português. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE LINGUÍSTICA, 13., 1998, Lisboa, Actas... Lisboa: Associação Portuguesa de Linguística, 1998. p. 339-352. vol. 1.

HOUAISS, Antonio; VILLAR, Mauro de Salles. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

LABOV, William. Padrões Sociolingüísticos. Tradução Marcos Bagno, Maria Marta Scherre, Caroline Cardoso. São Paulo: Parábola, 2008 [1972].

LUCCHESI, Dante. Norma lingüística e realidade social. In: BAGNO, Marcos. (Org.) Lingüística da norma. São Paulo: Edições Loyola, 2004. p. 63-92.

MARINHO, Marco Antônio Ferreira. Do latim ao português: percurso histórico dos sufixos –dor e –nte. 2009. 210 f. Tese (Doutorado em Letras Vernáculas, Língua Portuguesa) - Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

MEACHEM, Suzanne. Women’s actions, women’s words: female political and cultural responses to the Argentine state. 2010. 339 f. Tese (Doutorado). Departamento de estudos hispânicos, Universidade de Birmingham, Birmingham, 2010.

NUNES, José Joaquim. Compêndio de gramática história portuguesa: fonética e morfologia. Porto: Livraria Clássica Editora, 1956.

OLIVEIRA, Fernão de. Grammatica da lingoagem portuguêsa. Lisboa: Casa d’Germão Galharde, 1536. Disponível em . Acesso em: 10 mar. 2015.

PINTO, Vera Maria Ramos. O questionário morfossintático do ALiB: o feminino de chefe e de presidente. Claraboia: revista do Curso de Letras da UENP. Jacarezinho/PR, n. 1/2, p. 136-156, jun./dez. 2014.

SAID ALI, M. Grammatica Histórica da Língua Portugueza. 2. ed. São Paulo: Melhoramentos, 1931.

SANTANA, Élide Elen da Paixão. O gênero na região Nordeste: morfologia e estigma social. 2015. 145 f. Dissertação (Mestrado em Língua e Cultura) - Instituto de Letras, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321-21117

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrepalavras © 2012. Todos os direitos reservados.
Av. da Universidade, 2683, Benfica, CEP 60020-180, Fortaleza-CE | Fone: (85) 3366.7629
Creative Commons License
Entrepalavras (ISSN: 2237-6321) está licenciada sob Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0.