O gênero tirinhas na coleção didática “Português Linguagens” e o trabalho com a leitura em sala de aula

Tarcilane Fernandes da Silva

Resumo


O gênero tirinhas, como um texto que se constrói eminentemente por meio de imagens, comporta lugares vazios que devem ser preenchidos pelo leitor por meio de conexões, inferências, ativação de conhecimentos prévios e de mundo. Embasados nisso, propomos essa investigação que tem como corpora de análise os livros didáticos “Português Linguagens 3”, de Cereja e Magalhães (1990, 1994, 2013). Nosso objetivo é analisar se estes manuais, por meio de suas atividades, têm levado o aluno a desenvolver e a enriquecer suas habilidades de leitura. Como resultados, pudemos perceber que apesar da recorrente presença desse gênero nos manuais, não houve um trabalho de aprimoramento das habilidades de leitura do aluno, as tiras apenas exemplificavam conteúdos gramaticais. Nos poucos casos em que se propuseram atividades interpretativas, limitaram-se a um único aspecto desse texto: o verbal, deixando-se de lado um elemento primordial na constituição desse gênero, o imagético. 


Palavras-chave


Leitura; Histórias em Quadrinhos; Tirinhas; Livros Didáticos de Português

Texto completo:

PDF

Referências


ANSELMO, Zilda Augusta. Histórias em quadrinhos. Petrópolis: Vozes, 1975.

BRASIL. Orientações curriculares para o Ensino Médio (PCNEM). Linguagem, códigos e suas tecnologias. Brasília: MEC, 2006.

CEREJA, William Roberto; MAGALHÃES, Thereza Cochar. Português Linguagens 3. São Paulo: Atual, 1990.

______. Português Linguagens 3. São Paulo: Atual, 1994.

______. Português Linguagens 3. São Paulo: Saraiva, 2013.

DUTRA, Elissandra Eliza Calixto; PINTO, Vera Maria Ramos. Uso das histórias em quadrinhos na aula de Língua Portuguesa. In: PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Superintendência de Educação. Os Desafios da Escola Pública Paranaense na Perspectiva do Professor PDE, 2014. Curitiba: SEED/PR., 2016. V.1. (Cadernos PDE). Disponível em: . Acesso em 20 ago. 2017. ISBN 978-85-8015-080-3.

EISNER, Will. Quadrinhos e arte sequencial: princípios e práticas do lendário cartunista. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.

______. Narrativas gráficas: princípios e práticas da lenda dos quadrinhos. São Paulo: Devir, 2013.

FRESNAULT-DERUELLE, Pierre. La bande dessinée. Paris: Hachette, 1972.

LACHTERMACHER, Stela; MIGUEL, Edison. HQ no Brasil: sua história e luta pelo mercado. In: LUYTEN, Sonia Bibe (org.). Histórias em quadrinhos: leitura crítica. São Paulo: Edições Paulinas, 1985.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MENDONÇA, Márcia Rodrigues de Souza. Um gênero quadro a quadro: a história em quadrinhos. In: DIONÍZIO, Angela Paiva; MACHADO, Anna Rachel; BEZERRA, Maria Auxiliadora (Orgs.). Gêneros Textuais e ensino. São Paulo: Parábola, 2010.

MENEGASSI, RJ. Avaliação de leitura: Construção e ordenação de perguntas. In: CONGRESSO DE LEITURA DO BRASIL, 17, 2009, Campinas. Anais do 17º COLE, Campinas, SP,: ALB, 2009. Disponível em: . Acesso em 27 ago. 2017. ISSN: 2175-0939.

PASTORELLO, Lucila Maria. Leitura em voz alta e produção de subjetividade. São Paulo: Edusp, 2015.

RAMOS, Paulo. Os quadrinhos em aulas de língua portuguesa. In: RAMA. Angela, et. all. (Orgs.) Como usar as histórias em quadrinhos na sala de aula. São Paulo: Contexto, 2016.

VERGUEIRO, Waldomiro. Uso das HQs no ensino. In: RAMA. Angela, et. all. (Orgs.). Como usar as histórias em quadrinhos na sala de aula. São Paulo: Contexto, 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321-11053

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrepalavras © 2012. Todos os direitos reservados.
Av. da Universidade, 2683, Benfica, CEP 60020-180, Fortaleza-CE | Fone: (85) 3366.7629
Creative Commons License
Entrepalavras (ISSN: 2237-6321) está licenciada sob Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0.