Reflexões sobre o discurso docente acerca da indisciplina e do mau desempenho escolar

Roberta Rafaela Bernardino da Silva Soares, Otávia Marques de Farias

Resumo


O discurso não é neutro, nem ingênuo. Ele administra e articula memórias, ideologias e silêncios que constituem o homem e sua história. Partindo de tais pressupostos, este estudo analisa o discurso docente sob a perspectiva da Análise do Discurso francesa, fundamentando-se principalmente em Orlandi (2003), Brandão (2004) e Maingueneau (2005). Examinamos os posicionamentos de professores de Língua Portuguesa do Ensino Fundamental II sobre indisciplina e mau desempenho escolar. Para isso, foram realizadas e registradas em arquivos de áudio seis entrevistas semiestruturadas com professores do município de Barreira e sete entrevistas com professores do município de Redenção, ambos situados na região do Maciço de Baturité, no Ceará. Problematizamos os entrecruzamentos discursivos presentes no discurso docente e refletimos sobre a construção simbólica da realidade a partir do olhar desses sujeitos aparentemente neutros, mas carregados de ideologias. Em nossas entrevistas, percebemos que os docentes apropriaram-se de quatro ideias socialmente instituídas: a) A interação em sala é regulada pelo professor; b) A indisciplina é fruto da relação do aluno com seu contexto familiar; c) Respeito se associa à ideia de temor; d) Afetividade é o principal instrumento de aproximação com os alunos. Os resultados apontam para tensões entre o discurso da pedagogia atual e o discurso da pedagogia tradicional, frequentemente misturados nos enunciados do corpus coletado; para a ação da memória e do esquecimento, na constituição do discurso analisado, no sentido de reformular pré-construídos e produzir o efeito de novidade; para a presença de discursos outros, como o sexista, o capitalista, o jurídico e o religioso, também evidenciada nos textos analisados.


Palavras-chave


Discurso docente. Memória discursiva. Indisciplina.

Texto completo:

PDF

Referências


BRANDÃO, H.N. Introdução à análise do discurso. 2ed. Campinas: Unicamp, 2004.

CHARAUDEAU, P. Dicionário de análise do discurso. São Paulo. Contexto, 2004.

COSTA, N. B. da. Análise do Discurso. 5ed. Fortaleza: Instituto UFC Virtual, 2010.

ESQUINSANI, R. S. S.; ESQUINSANI, V. A. Violência e discurso: Agressão verbal e trabalho docente na Educação Básica. Educere Et Educare: Revista de Educação, Cascavel, v. 9, n. 18, p.651-660, jul. 2014. Semestral. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2017.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. 7ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

______. Vigiar e punir - história da violência nas prisões. São Paulo: Vozes, 2001.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia - saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GARCIA, J. et al. O que fazemos com as mentes rebeldes na escola? In: VIII seminário INDISCIPLINA NA EDUCAÇÃO CONTEMPORÂNEA. Curitiba. 9 e 10 de Novembro. 2012. ISSN 2179-7056.

GOULARTE, G. P. Discurso religioso e discurso escolar produzindo disciplina na escola: diálogos com saberes e práticas de professores. 2009. 100 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Educação) Faculdade de Enfermagem e Obstetrícia, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2009.

LIMA, A.; LUIZ, M C.; VERGNA, A. C. G. A (des)construção de discursos sobre a violência escolar. In: SALES, J. A. M. (org.). Didática e a prática de ensino na relação com a sociedade. Fortaleza: EdUECE, 2015.

LÜDKE, M.; BOING, L.A. Caminhos da profissão e da profissionalidade docentes. Educação & Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1159- 1180, dez. 2004.

MAINGUENEAU, D. Cenas da enunciação. São Paulo: Parábola, 2008.

______. Gênese dos discursos. Curitiba: Criar, 2005.

OLIVEIRA, N.H.D. Recomeçar: família, filhos e desafios. São Paulo: Unesp/Cultura Acadêmica, 2009.

ORLANDI, E.P. Análise do discurso: princípios e procedimentos. 5 ed. Campinas: Pontes, 2003.

PIROLA, S. M. F.; FERREIRA, M. C. C. O problema da “indisciplina dos alunos”: um olhar para as práticas pedagógicas cotidianas na perspectiva de formação continuada de professores. Olhar de Professor, Ponta Grossa, v. 10, n. 2, p.81-99, jul. 2007. Semestral. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2017.

SANTOS, J. S. dos. Discurso sobre e de professores de língua materna no estado do Tocantins: modos de posicionamento do e em relação ao discurso oficial. 2010. 187 f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) Instituto de estudos da linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2010.

TREVISOL, M. T. C.; LOPES, A. R. L. V. A (In)disciplina na escola: sentidos atribuídos por profissionais da educação. Curitiba: Champagnat, 2008.

VELOSO, L. T. T. Percepção de indisciplina e a formação da identidade docente. Revista de Educação, Itatiba, v.14, n. 18, p. 55-73, jul. 2011. Semestral. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2017.

VIOTTO FILHO, I. A. T.; PONCE, R. de F.; ALMEIDA, S. H. V. de. As compreensões do humano para Skinner, Piaget, Vygotski e Wallon: pequena introdução às teorias e suas implicações na escola. Psicol. educ. São Paulo. n.29. p.27-55.dez. 2009. Disponível em: < http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-69752009000200003>. Acesso em: 27 jul. 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321-11019

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrepalavras © 2012. Todos os direitos reservados.
Av. da Universidade, 2683, Benfica, CEP 60020-180, Fortaleza-CE | Fone: (85) 3366.7629
Creative Commons License
Entrepalavras (ISSN: 2237-6321) está licenciada sob Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0.