Os nomes do Hunsrückisch: aspectos linguísticos e extralinguísticos da denominação de línguas de imigração

Jussara Habel

Resumo


O presente trabalho analisa a autodenominação dada à língua de imigração alemã Hunsrückisch, em português hunsriqueano (ALTENHOFEN, 1996), pelos informantes do Projeto ALMA-Cartografias (Atlas Linguístico-Contatual das Minorias Alemãs na Bacia do Prata: variação e contatos linguísticos do hunsriqueano entre o português e o espanhol, coordenado por C. Altenhofen, UFRGS, & H. Thun, Universidade CAU de Kiel, Alemanha). No banco de dados do Projeto foram registradas as variantes Hunsrick, Hunsrickisch, Hunsbucklisch, Deitsch versus Deutsch, Plattdeitsch ou simplesmente Platt, além de outras formas de cunho depreciativo. Trata-se de um levantamento in vivo de denominações da língua pelos membros de comunidades de falantes de hunsriqueano (OLIVEIRA & ALTENHOFEN, 2011). Além de identificar e cartografar as diferentes variantes para a denominação do Hunsrückisch, o trabalho busca analisar suas implicações para a delimitação do objeto de estudo, a percepção e significação do <nome de sua língua> para os membros da comunidade. Para isso, o presente trabalho segue o método cartográfico da Dialetologia Pluridimensional e Relacional (THUN, 1998). A (re)significação e a função sócio-histórica assumem contornos diversos, conforme mostram os resultados iniciais. 


Palavras-chave


Nome da Língua; Hunsrückisch; Línguas de Imigração no Brasil.

Texto completo:

PDF

Referências


AKIN, Salih. Comment ne pas nommer une langue? Le cas du kurde dans le discours juridique turc. Babylonia, n. 1, 2004, p.23-25. Disponível em: Acesso em: 30 jan. 2017.

ALTENHOFEN, Cléo V. Hunsrückisch in Rio Grande do Sul. Ein Beitrag zur Beschreibung einer deutschbrasilianischen Dialektvarietät im Kontakt mit dem Portugiesischen. Stuttgart: Steiner, 1996.

______. Bases para uma política linguística das línguas minoritárias no Brasil. In: NICOLAIDES, Christine et al. (orgs.). Política e políticas linguísticas. Campinas, SP: Pontes Editores, 2013a, p. 93-116.

______. Migrações e contatos linguísticos na perspectiva da geolinguística pluridimensional e contatual. In: Revista de Letras, Sinop, n. 12, v. 6, 2013b. Disponível em:

w/1216>. Acesso em: 25 jan. 2017.

ALTENHOFEN, Cléo V.; BROCH, Ingrid K. Fundamentos para uma “pedagogia do plurilinguismo” baseada no modelo de conscientização linguística (language awareness). In: BEHARES, Luis (org.). V ENCUENTRO INTERNACIONAL DE INVESTIGADORES DE POLÍTICAS LINGUÍSTICAS. Montevideo: Universidad de la República e Associación de Universidades Grupo Montevideo / Núcleo Educación para la Integración, 2011, p. 15-22.

ALTENHOFEN, Cléo V. et al. Fundamentos para uma escrita do Hunsrückisch falado no Brasil. Revista Contingentia, v. 2, 2007, p. 73-87. Disponível em: . Acesso em: 5 fev. 2017.

BERRUTO, Gaetano. Identifying dimensions of linguistic variation in a language space. In: AUER, Peter & SCHMIDT, Jürgen Erich (eds.). Language and space: theories and methods. Berlin/New York: de Gruyter, v. 1, 2010, p. 226-241.

BROCH, Ingrid Kuchenbecker. Ações de promoção da pluralidade linguística em contextos escolares. 2014, 268 f. Tese (Doutorado em Linguística). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2014. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2017.

COSERIU, Eugenio. Sentido y tareas de la dialectología. México: Universidad Nacional Autónoma de México, Instituto de Investigaciones Filológicas. Cuadernos de Linguística, vol. 8, 1982.

FERGUSON, Charles A. Diglossia. In: Word, New York, n. 15(2), 1959, p. 325-340.

GARDÈS-MADRAY, Françoise; BRÈS, Jacques. Conflitos de nominação em situação diglóssica. P. 155 – 173. In: Multilingüismo. G. VERMES e J. BOUTET (orgs.). Campinas: Ed. Da Unicamp, 1989.

HORST, Aline. Variação e contatos linguísticos do vestfaliano rio-grandense falado no Vale do Taquari. 2014, 232 f. Dissertação (Mestrado em Linguística). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2014. Disponível em: . Acesso em: 06 jan. 2017.

MEYER, Martina. Deitsch ou Deutsch? Macroanálise pluridimensional da variação do Hunsrückisch Rio-Grandense em contato com o português. 2009, 46f. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2009.

OLIVEIRA, Gilvan Müller de; ALTENHOFEN, Cléo V. O in vitro e o in vivo na política da diversidade linguística do Brasil: inserção e exclusão do plurilinguismo na educação e na sociedade. In: MELLO, Heliana; ALTENHOFEN, Cléo V; RASO, Tommaso (orgs.). Os contatos linguísticos no Brasil. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011, p. 187-216.

ORLANDI, Eni P. Língua e conhecimento linguístico. São Paulo: Cortez, 2002.

THUN, Harald. La geolinguística como linguística variacional general. In: INTERNATIONAL CONGRESS OF ROMANCE LINGUISTICS AND PHILOLOGY (21: 1995: Palermo). Atti del XXI Congresso Internazionale di Linguistica e Filologia Romanza. Org. Giovanni Ruffino. Tübingen: Niemeyer, v. 5, 1998, p. 701-729.




DOI: http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321.7.7.2.314-330

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrepalavras © 2012. Todos os direitos reservados.
Av. da Universidade, 2683, Benfica, CEP 60020-180, Fortaleza-CE | Fone: (85) 3366.7629
Creative Commons License
Entrepalavras (ISSN: 2237-6321) está licenciada sob Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0.