O passado do futuro: uma análise diacrônica do ir + infinitivo no Português Europeu

Paulo Ângelo Araújo Adriano

Resumo


Este trabalho é uma análise diacrônica da expressão do futuro do presente, no português europeu (PE). Especificamente, analisaram-se 3 variantes do futuro, a saber, o (i) ir + infinitivo (vou comer), (ii) haver/ter de + infinitivo (hei de comer), e (iii) futuro simples (comerei, poderei comer). Estudos anteriores sobre o PE (HRICSINA, 2011) atestam um processo cíclico para a evolução do Tempo futuro, cuja expressão com a perífrase ir + infinitivo já estaria presente desde o século XIII (LIMA, 2001). Este estudo tem como objetivo, então, observar o percurso da realização do Tempo futuro no português europeu, nos séculos XVIII – XIX, partindo da hipótese de que, inicialmente, a estrutura ir + infinitivo era usada quando a proposição expressa pelo verbo principal se concretizaria imediatamente após a enunciação e, em seguida, a mesma estrutura passou a denotar futuro, ou seja, um evento posterior em relação ao momento da fala. Para tanto, analisaram-se peças de teatro portuguesas (entremezes) entre 1783-1877, disponíveis no acervo do Laboratório de História do Português (LaborHistórico).


Palavras-chave


Diacronia; expressão do futuro; português europeu

Texto completo:

PDF

Referências


ANTONELLI, A.L. Sintaxe da posição do verbo e mudança gramatical na história do português Europeu. 230f. Tese (Doutorado em Linguística). Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas, SP, 2011.

ARAÚJO ADRIANO, P. Â. Alguns aspectos sobre a expressão do futuro no português brasileiro: fala, escrita e representação. Mosaico (São José do Rio Preto), v. 15, p. 493-523, 2016.

_________. Análise da expressão do futuro em textos argumentativos do ProFIS. Língua, Literatura e Ensino (UNICAMP), v. 9, p. 21-34, 2014.

CHOMSKY, N. Knowledge of Language. Its Nature, Acquisition and Use. New York: Praeger, 1986.

_________. The Minimalist Program, MIT Press, Cambridge, MA, 1995.

FLEISCHMAN, S. The future in thought and language – diachronic evidence from Romance. Cambridge: Cambridge University Press, 1982.

GONÇALVES, A. O analitismo verbal e a expressão do futuro no português brasileiro: um estudo diacrônico. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Faculdade de Letras, UFMG, Belo Horizonte, 2013.

GIBBON, A. A expressão do tempo futuro na língua falada de Florianópolis: gramaticalização e variação. 2000. 126 f. Dissertação (Mestrado em Letras/Linguística). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2000.

HRICSINA, J. A evolução do tempo futuro em português é cíclica? Études romanes de Brno, 2011, no. 32/2011, s. p. 171-180, 2011.

LIGHTFOOT, D. How to Set Parameters: Arguments from Language Change. Cambridge, MA: The MIT Press, 1991.

LIMA, J. P. de. Sobre a gênese e a evolução do futuro com “ir” em português. In: Silva, Augusto Soares da (org.). Linguagem e cognição. Braga: Associação Portuguesa de Linguística / Universidade Católica Portuguesa, 2001.

LOPES, C. R. S. Vossa mercê > você e Vuestra merced > usted: o percurso evolutivo ibérico. Revista de Lingüística da ALFAL, São Paulo, v. 14, p. 173-190, 2004.

OLIVEIRA, F. O futuro em português, alguns aspectos temporais e/ou modais. In Actas do 1o encontro da Associação Portuguesa de Linguística. Lisboa: aPL, p. 353–373, 1985.

OLIVEIRA, J. M. O futuro da língua portuguesa ontem e hoje: variação e mudança. 254 f. Tese (Doutorado em Língua Portuguesa). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

_________. A expressão do futuro verbal na escrita jornalística baiana. Linguística (Rio de Janeiro), v. 8, p. 191-209, n, 2012.

ROBERTS, I.; ROUSSOU, A. Syntactic change: a Minimalist approach to grammaticalization. Cambridge: Cambridge University Press, p. 275, 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321.7.7.2.132-150

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrepalavras © 2012. Todos os direitos reservados.
Av. da Universidade, 2683, Benfica, CEP 60020-180, Fortaleza-CE | Fone: (85) 3366.7629
Creative Commons License
Entrepalavras (ISSN: 2237-6321) está licenciada sob Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0.