Paradigma e progresso – uma questão sobre o desenvolvimento da teoria semiótica acerca das modalidades crer e saber

Eliane Domaneschi

Resumo


Com base nas categorias metateóricas de “paradigma” e “progresso” como definidas por Thomas Khun em A estrutura das revoluções científicas, de 1962, este artigo toma como objeto de análise dois textos da teoria semiótica da Escola de Paris sobre as modalidades crer e saber: “Le savoir et le croire: um seul univers cognitif”, publicado em 1983 por Algirdas Julien Greimas; e “Reconnaissance de l’espace fiduciaire”, publicado por Claude Zilberberg em 1988. Por meio de uma visada historiográfica, propõe-se a leitura crítica desses textos com o objetivo de analisar e discutir o desenvolvimento e a evolução da semiótica acerca das referidas modalidades.

Palavras-chave


Paradigma; teoria semiótica; historiografia linguística.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321.4.4.2.23-43

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrepalavras © 2012. Todos os direitos reservados.
Av. da Universidade, 2683, Benfica, CEP 60020-180, Fortaleza-CE | Fone: (85) 3366.7629
Creative Commons License
Entrepalavras (ISSN: 2237-6321) está licenciada sob Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0.