A abordagem processual da escrita na composição de legendas

Ana Katarinna Pessoa do Nascimento

Resumo


O ato de redigir implica em realizar operações mentais de natureza conflitante, satisfazendo um grande número de exigências simultaneamente (Vieira, 2005). Essa é a chamada visão processual da escrita, que pode ser didaticamente decomposta em subprocessos (Hayes e Flower, 1980). A confecção de legendas para produções audiovisuais possui diversos parâmetros que devem ser seguidos pelo legendista sob pena de não conduzir uma tradução confortável aos olhos do espectador (Araújo, 2007), pois é necessário adequar a fala às limitações de tempo e espaço impostas pela produção audiovisual. Busca-se, portanto, com o presente estudo, compreender se essas operações mentais realizadas no processo de redigir podem também ocorrer na atividade de elaboração de legendas, a partir do esclarecimento dos processos nela envolvidos. Para tanto, elaborar-se-á a legenda do primeiro minuto do curta-metragem “Os filmes que não fiz”, de Gilberto Scarpa, segundo a abordagem processual da escrita.


Palavras-chave


Legendagem para surdos e ensurdecidos; Abordagem processual da escrita; Ato de redigir.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321.4.4.1.192-203

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrepalavras © 2012. Todos os direitos reservados.
Av. da Universidade, 2683, Benfica, CEP 60020-180, Fortaleza-CE | Fone: (85) 3366.7629
Creative Commons License
Entrepalavras (ISSN: 2237-6321) está licenciada sob Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0.