Interação e descortesia: uma visão pragmática

Luiz Antônio da Silva

Resumo


O equilíbrio de uma interação pode depender da maneira como os participantes reagem diante dos conflitos que brotam durante a conversação. A partir do momento em que se inicia a interação, há um jogo de interesses diversos e, até de forma intuitiva, locutor e interlocutor negociam, a fim de conseguirem um determinado equilíbrio. Em geral, é o equilíbrio que marca as interações, ainda que haja ocasiões em que uma das partes, ou ambas, desejam o conflito. Sabe-se que é arriscado afirmar que determinada interação é ou não descortês, pois, dependendo de vários fatores, como contexto, relação de poder e distância social entre os interlocutores e grau de imposição do ato diretivo, uma determinada interação, aparentemente, descortês, pode não ser, propriamente, descortês. Em consonância com Fuentes Rodriguez e Brenes Peña (2013), consideramos que há dois polos, cortesia e descortesia, entre os quais existe um continuum gradual que precisa ser observado. Nosso objetivo é fazer considerações a respeito desses dois polos, embasados em dois modelos: Brown e Levinson (1987) e Culpeper (1996).


Palavras-chave


Descortesia. Violência verbal. Imagem. Interação.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBELDA MARCO, Marta. Cortesía en diferentes situaciones. La conversación coloquial y la entrevista sociológica semiformal. In: BRAVO, Diana; BRIZ, Antonio (ed.). Pragmática sociocultural: estúdios sore el uso de cortesia en español. Barcelona: Ariel Lingüística, 2004, p. 109-134.

ANTÃO, Marta A. C. L.; ALMEIDA, Carla A. A delicadeza e as formas de tratamento em português língua não materna: um estudo de caso numa sociedade bilíngue em Espanha. Diacrítica, Porto, v. 35, n.1, p. 189-206, 2021.

BRAVO, Diana. Categorías, tipologias y aplicaciones. Hacia una redefinición de la “cortesia comunicativa”. In: BRAVO, Diana (ed.). Estudios de la (des)cortesia en español. Categorías conceptuales y aplicaciones a corpora orales y escritos. Buenos Aires: Programa Edice-Dunken, 2005, p. 21-52.

BROWN, Penélope; LEVINSON, Stephen. Politeness: some universals in language use. Cambridge: Cambridge University Press, 1987.

CULPEPER, Jonathan. Towards na anatomy of impoliteness. Journal of Pragmatics, Amsterdam, v. 25, n. 3, p. 349-367, 1996.

CULPEPER, Jonathan. Impoliteness: using language to cause offense. Cambridge: Cambridge University Press, 2011.

FUENTES RODRIGUEZ, Catalina; BRENES PEÑA, Ester. Comentarios de textos corteses y descorteses. Madri: Arco Libros, 2013.

GOFFMAN, Ervin. Ritual de la interacción. Buenos Aires: Tiempo Contemporáneo, 1970.

GOFFMAN, Erving. Relations in public. New York: Harper e Row, 1971.

KAUL DE MARLANGEON, Silvia. Descortesia de fustigación por afiliación exacerbada o refractariedad. In: BRAVO, Diana (ed.). Estudios de la (des)cortesia en español. Categorías conceptuales y aplicaciones a corpora orales y escritos. Buenos Aires: Dunken, 2005, p. 299-318.

KAUL DE MARLANGEON, Silvia. Tipología del comportamento verbal descortês en español. In: BRIZ, Antonio et el. (ed.). III Coloquio Internacional de Edice: de lo escrito a lo oral. Valencia: Universidad de Valencia, 2006, p. 254-266.

KAUL DE MARLANGEON, Silvia. Contribuições para o estudo da (des)cortesia verbal. In: CABRAL, Ana L. T.; SEARA, Isabel R. & GUARANHA, Manoel F. (org.). Descortesia e cortesia: expressão de culturas. São Paulo: Cortez, 2017, p. 93-108.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. São Paulo: Cortez, 2001.

VILLAÇA, Ingedore G.; BENTES, Ana C. Aspectos da cortesia na interação face a face. In: PRETI, Dino (org.). Cortesia Verbal. São Paulo: Humanitas, 2008, p. 19-48.




DOI: http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321-12esp2420

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrepalavras © 2012. Todos os direitos reservados.
Av. da Universidade, 2683, Benfica, CEP 60020-180, Fortaleza-CE | Fone: (85) 3366.7629
Creative Commons License
Entrepalavras (ISSN: 2237-6321) está licenciada sob Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0.