Estereótipos, intertextualidade e argumentação em gêneros digitais: um contributo textual/discursivo para o estudo das interações sociais

Rosalice Pinto

Resumo


Este artigo, centrado na Linguística Textual (CAVALCANTE et al., 2021) atualmente preconizada no Brasil, objetiva mostrar de que forma a depreensão dos estereótipos (tanto ao nível da produção, quanto da interpretação) pode vir a colaborar para a (re)construção da dimensão argumentativa de gêneros nativos digitais. Para atingir o objetivo pretendido, serão analisados alguns exemplares de gêneros que circularam em contexto brasileiro durante o ano de 2021: uma webnotícia e seis tuítes (dois tuítes resposta e quatro retuítes). Estes estão relacionados a dois tuítes postados pelo Presidente brasileiro Jair Bolsonaro e ao conteúdo da webnotícia. Os textos selecionados versam sobre questões polêmicas, trazidas à tona por atores políticos, tendo sido discutidas na esfera pública. Resultados exploratórios, de cunho qualitativo, demonstram a mais-valia do estudo dos estereótipos para que se possa atingir a eficácia argumentativa almejada. Evidentemente, trata-se de um estudo ainda preliminar, necessitando de uma ampliação do corpus para que se possa atingir resultados mais genéricos.


Palavras-chave


Estereótipo. Argumentação. Gênero nativo digital.

Texto completo:

PDF

Referências


AMOSSY, R. Apologia da Polêmica. Tradução de Monica Magalhães Cavalcante; Rosalice Pinto; Ana Lúcia Tinoco Cabral et alii. São Paulo: Contexto, 2017.

AMOSSY, R.; PIERROT, A. H. Stéréotypes et clichés. Langue, discours, société. 4ème édition. Paris: Armand Colin, 2021.

AMOSSY, R. L´Argumentation dans le discours. 4ème edition. Paris: Armand Colin, 2021.

AMOSSY, R. Le Stéréotype. In. Alain Goulet (dir.). Stéréotype et argumentation. Caen: Presses Universitaires de Caen, 1994.

ANGENOT, M. La parole pamphlétaire. Typologie des discours modernes. Paris: Payot, 1982.

ANSCOMBRE, J.-C, éd. Théorie des topoi. Paris: Kimé, 1995.

BRONCKART, J.-P. Atividade de linguagem, textos e discursos. Por um interacionismo sócio-discursivo. São Paulo: Educ, 1999.

CAVALCANTE, M.M. et alii. Linguística Textual e Argumentação. Rio de Janeiro: Pontes, 2021.

DA EMPOLI, Giuliano. Os engenheiros do caos. São Paulo: Vestígio, 2020.

DUARTE, A.L.M.; MUNIZ-LIMA, I. Análise do Discurso Digital: questões téoricas e práticas. In. Paiva, F.J.de O. e Silva, E. D. da (orgs.). Estudos da Linguagem: Interfaces na Linguística, Semiótica e Literantura em perspectiva. Vol. 1. São Carlos: Pedro & João Editores, p. 53-70, 2021.

DUCROT, O. Dire et ne pas dire. Principes de sémantique linguistique. Paris: Hermann, 1972.

GIERING, E; PINTO, R. O discurso digital nativo e a noção de textualidade: novos desafios para a linguística textual. Revista (Con)Textos Linguísticos, Vitória, v. 4, n. 27, p. 30-47, 2021.

JENKINS, H. Confronting the challenges of participatory culture: media Education for the 21th. Century (part one), 2006. Disponível em: https://www.macfound.org/media/article_pdfs/jenkins_white_paper.pdf. Acesso em 30 de setembro de 2021.

JODELET, D.(éd). Les représentations sociales. Paris: PUF, 1989.

KOCH, I.G.V. Texto e hipertexto. In: Desvendando os segredos do texto. São Paulo: Cortes, 2002. p. 61-73.

LÉVY, P. Cibercultura. Tradução de Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Ed. 34, 1999.

LEYENS, J.-P.; YZERBYT, V.; SHADRON, G. Stéréotypes et cognition sociale. Tradução: Georges Schadron. Bruxelles: Mardaga, 1996.

LIPPMAN, W. Public Opinion. 2a. edição. New York: Pelican Book, 1946.

MARCUSCHI, L.A. Linearização, Cognição e Referência. O desafio do hipertexto. Comunicação apresentada no IV Colóquio da Associação Latinoamericana de Analistas do Discurso. Santiago, Chile, 5 a 9 de abril de 1999.

MARCUSCHI, K. A. A coerência do hipertexto. In: COSCARELLI, C.V.; RIBEIRO, A:E. Letramento digital: aspectos sociais e possibilidades pedagógicas. 3ª ed. Belo Horizonte: Ceale/Autêntica, 2017.

MOSCOVICI, S. (éd.). Psychologie sociale. Paris: PUF, 1988.

PAVEAU, M.-A. Ce qui s´écrit dans les universo numériques. Itinéraires 2014 -1/2015, 2015. Disponível em https://journals.openedition.org/itineraires/2313. Acesso em 26 de setembro de 2021.

PAVEAU, M.-A. L´analyse du Discours Numérique. Dictionnaire des formes et des pratiques. Paris: Hermann Éditeurs, 2017.

PERELMAN, C.; OLBRECHTS-TYTECA, L. Traité de l´argumentation. La nouvelle rhétorique. 2ème édition. PUF: Bruxelles, 1988.

PIERROT, A. H. Le dicitionnaire des idées reçues de Flaubert. Presses Universitaires de Lille: Lille, 1988.

PINTO, R. Como argumentar e persuadir. Prática Política, Jurídica, Jornalística. Lisboa: Quid Juris, 2010.

PINTO, R. & TEIXEIRA, C. Representações do agir publicitário: descrição linguístico-textual das instâncias agentivas. Linha D´Água, 26(2), 2013. p. 221-240.

RABATEL, A. Os desafios das posturas enunciativas e de sua utilização. Revista Eletrônica de Estudos Integrados em discurso e argumentação (EID&A), n. 12, 2017. p. 191-233. Disponível em https://doi.org/10.17648/eidea-12-1328. Acesso em 23 de setembro de 2021.

SILVEIRA, F. S. da. Ampliação Enunciativa de tuítes do Jornal ZH On-Line sobre a Covid-19. Uma abordagem tecnodiscursiva. 2022. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada) - Unidade Académica de Pesquisa e Pós-Graduação, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2022.

SNYDER, I. Hypertext. The electronic labyrinth. New York: New York Univesity Press, 1997.

ZAPPAVIGNA, M. Discourse of Twitter and Social Media. New York/London: Continuum International Publishing Group, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321-12esp2418

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrepalavras © 2012. Todos os direitos reservados.
Av. da Universidade, 2683, Benfica, CEP 60020-180, Fortaleza-CE | Fone: (85) 3366.7629
Creative Commons License
Entrepalavras (ISSN: 2237-6321) está licenciada sob Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0.