A ciberviolência em práticas textuais do ambiente digital

Mariza Angélica Paiva Brito, Ana Lúcia Tinoco Cabral, Ananias Agostinho da Silva

Resumo


A tecnologia, conforme mostra Paveau (2021), vem favorecendo uma explosão criativa de textos coproduzidos com a máquina, o que sugere como homem e máquina estão social e individualmente relacionados. Neste artigo, nosso objetivo é tratar, sobretudo, do fenômeno da ciberviolência, que, para a autora, são acontecimentos discursivos morais desencadeados por enunciados violentos relacionados à noção de decência de uma época, de uma cultura e de um espaço. Tais gestos linguageiros ciberviolentos se ritualizam e se modificam o tempo todo, em negociações permanentes. A partir de um exemplário coletado em redes sociais, pretendemos refletir sobre essas relações ao analisar as marcas textuais da ciberviolência. Queremos demonstrar que, assim como em qualquer interação, os gestos ciberviolentos dependem das características do auditório, do gênero, do contrato comunicativo, das modalidades argumentativas e de todos os modos de organização textual, dentre os quais destacamos os processos referenciais.


Palavras-chave


Ciberviolência. Práticas textuais. Ambiente digital.

Texto completo:

PDF

Referências


AMOSSY, Ruth. Apologia da polêmica. São Paulo: Editora Contexto, 2017.

AMOSSY, Ruth. Por uma análise discursiva e argumentativa da polêmica. EID&A - Revista Eletrônica de Estudos Integrados em Discurso e Argumentação. Ilhéus, n. 13, nov., 2017, p. 227-244.

ARENDT, Hannah. Sobre a violência. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 2011.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

CABRAL, A. L. T.; LIMA, N. V. Argumentação e polêmica nas redes sociais: o papel de violência verbal. Signo. 2017, v. 42, n. 73, p. 86-97. Disponível em: https://online.unisc.br/seer/ index.php/signo/ article/view/8004. Acesso em: 10 ago. 2021.

CAVALCANTE, Mônica Magalhães. Abordagens da argumentação nos estudos de Linguística Textual. ReVEL, edição especial, vol. 14, n. 12, 2016, p. 106- 124.

CAVALCANTE, Mônica Magalhães et al. Linguística Textual e Argumentação. Campinas: Pontes Editores, 2020.

DEVELOTTE, Cristhine. Décrire l’espace d’exposition discursive dans un campus numérique. Le français dans le monde. Recherches et applications, numéro spécial, p. 88–100, 2006. Disponível em: https://halshs.archives-ouvertes.fr/halshs-00151851. Acesso em: 13 jun. 2021.

ÉMÉRIT, L. 2017. La publication multisite: un objet linguisti- que qui interroge les notions de texte et de contexte dans les environnements numériques. Essais [On-line], 12:173-190. https://doi.org/10.4000/essais.3026

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir: História da Violência nas Prisões. Trad. bras. Raquel Ramalhete. 18ª. Ed. Petrópolis: Vozes, 1987.

GEORGES, Fanny. Identités Virtuelles les profils utilisateur du Web 2.0. Mercuès: Editions Questions théoriques, 2010.

GIRARD, René. A Violência e o Sagrado. São Paulo: Unesp, 1990.

GOFFMAN, Erving. Estigma: la identidad deteriorada. 5. ed. Buenos Aires: Amorrortu Editores, 1993.

GRAHAM, Sage; HARDAKER, Claire. (Im)politeness in digital communication. In: CULPEPER, Jonathan; HAUGH, Michael; KADAR, Daniel. (Eds.). The Palgrave Handbook of Linguistic (Im)politeness. London: Palgrave Macmillan, 2017, p. 785-814.

HAGUETTE, Teresa M. F. Metodologias qualitativas na sociologia. Petrópolis: Vozes, 2005.

HOUAISS, Antonio; VILLAR, Mauro. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

KAUFMANN, Jean-Claude. A invenção de si: uma teoria da identidade. Lisboa: Instituto Piaget, 2004.

KERBRAT-ORECHINONI, Catherine. Os atos de linguagem no discurso: teoria e funcionamento. Niterói: UFF, 2005.

LOCHER, Miriam. Politeness research from past to future, with a special focus on the discoursive approach. In: AMAYA, Lucia Fernandez; et all. (Eds.). New perspectives on (Im)politeness and interpersonnal communication. Newcastle: Cambridge Scholars Publishing, 2012, p. 36- 60.

MACEDO, Patrícia Sousa Almeida de. Análise da argumentação no discurso: uma perspectiva textual. 243f. Tese (Doutorado), Universidade Federal do Ceará, Centro de Humanidades, Programa de Pós-Graduação em Linguística, Fortaleza, 2018.

MINAYO, M.C. S. Violência: um problema para a saúde dos Brasileiros. IN: Impactos da Violência na Vida dos Brasileiros. Ministério da Saúde / Secretaria de Vigilância em Saúde. Brasília-DF. 2005. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/ publicacoes/impacto_ violencia.pdf

MOIRAND Sophie. Exposition discursive. In: CHARAUDEAU Patrick; MAINGUENEAU, Dominique (Dir.). Dictionnaire d’analyse du discours. Paris: Seuil, 2002.

ORWELL, George. 1984. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1998.

PAVEAU, Marianne. Linguagem e moral: uma ética das virtudes discursivas. Campinas: Editora da Unicamp, 2015.

PAVEAU, Marianne. L’Analyse du discours numérique: Dictionnaire des formes et des pratiques. Paris: Hermann, 2017.

PAVEAU, Marianne. Análise do discurso digital: dicionário das formas e das práticas. Campinas: Pontes, 2021.

PIAGET, Jean. O juízo moral na criança. 2. ed. São Paulo: Summus, 1994.

SCHARSTAMAN, Hélio. Vivendo com a tragédia. Folha de São Paulo, São Paulo, 18, abril, 2021.

SILVA, A. A. Os direitos humanos em conflito: polêmica, violência verbal e emoções nas redes sociais. Odisseia. 2020, v. 5, n. 2, p. 18-38. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/odisseia/article/view/20 854. Acessado em: 10 ago. 2021.




DOI: http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321-12esp2407

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrepalavras © 2012. Todos os direitos reservados.
Av. da Universidade, 2683, Benfica, CEP 60020-180, Fortaleza-CE | Fone: (85) 3366.7629
Creative Commons License
Entrepalavras (ISSN: 2237-6321) está licenciada sob Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0.