Dicionário enciclopédico ilustrado trilíngue da Língua de Sinais Brasileira no ensino de Português como segunda língua

Ariane Mendes Alves, Beatrice Alves Azevedo

Resumo


O presente artigo trata do uso do dicionário no âmbito do ensino e da aprendizagem de Português como segunda língua por aprendizes surdos, tendo como objeto de estudo o Dicionário Enciclopédico Ilustrado Trilíngue da Língua de Sinais Brasileira (DEIT-Libras), que tem como autores Capovilla e Raphael (2001). Com base em Faulstich (2010), Maia-Pires (2009) e Vilarinho (2013), pontuaremos, por meio do método descritivo-analítico, aspectos capazes de caracterizar sua potencial contribuição para o momento de ensino e aprendizagem da(s) língua(s) que se dispõe a apresentar, são elas: o Português, o Inglês e a Libras. No decorrer do artigo apresentaremos as seguintes seções: 1) Relação léxico, dicionário, aprendizagem e ensino de português do Brasil como segunda língua; 2) Avaliação do “Dicionário enciclopédico ilustrado trilíngue da língua de sinais brasileira” (Libras); e, ao final, 3) Proposta de atividade para o ensino de português como segunda língua, por meio do uso do dicionário aqui analisado. Observamos, ainda, que o dicionário possui uma vasta gama de verbetes e uma estrutura que abarca, além da definição e da ilustração da forma de realização, em estágios, dos sinais da Libras, textos relacionados ao mundo da surdez, contribuindo, assim, para o conhecimento que vai além do léxico das três línguas apresentadas.


Palavras-chave


Dicionário; Língua de Sinais Brasileira; DEIT-Libras; Ensino de PL2.

Texto completo:

PDF

Referências


BIDERMAN, Maria T. Camargo. Léxico e vocabulário fundamental. Alfa: Revista de linguística, Curso de Pós-Graduação em Letras - Faculdade de Ciências e Letras – UNESP, São Paulo, v. 40, p. 27-46, 1996.

CAPOVILLA, Fernando César; RAPHAEL, Walkíria Duarte (eds.). Dicionário enciclopédico ilustrado trilíngue da língua de sinais brasileira. 2. ed. Ilustrações de Silvana Marques. São Paulo: USP/Imprensa Oficial do Estado, 2001. 2 v.

COSTA, Edvaldo da S.; NASCIMENTO, Leoni R. S. Os dicionários virtuais e impressos da língua brasileira de sinais. 10º Encontro Internacional de Formação de Professores e Fórum Permanente de Inovação Educacional, S.I., v. 8, n. 1, 2015.

FARIAS, Emília M. P. A relação entre o léxico e o dicionário. Revista de Letras, v. 1/2, n. 20, p. 77- 80, 1998.

FAULSTICH, Enilde. Para gostar de ler um dicionário. In: RAMOS, C. de M. A.; BEZERRA, J de R.; ROCHA, Maria de F. (orgs.). Pelos caminhos da Dialetologia e da Sociolinguística: entrelaçando saberes e vidas. 1. ed. São Luís: UFMA, 2010.

GIL, Antônio C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

KRIEGER, Maria da G. O dicionário de língua como potencial instrumento didático. In: ISQUERDO, Aparecida Negri. ALVES, Ieda Maria (orgs.). As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia e terminologia, vol. III. Editora UFMS – Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, 2001.

¬¬¬¬KRIEGER, Maria da G. Lexicografia: o léxico no dicionário. In: SEABRA, Maria Cândida T. Costa de. (Org.) O léxico em estudo. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, 2006.

MAIA-PIRES, Flávia de O. Brasília em termos: Um estudo lexical do plano piloto. 2009. 139f. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Letras, Departamento de Linguística, Português e Línguas Clássicas, Programa de Pós-Graduação em Linguística. Universidade de Brasília, Brasília, 2009.

MAIA-PIRES, Flávia de O. Proposta de dicionário de aprendizagem: descrição de alguns verbos no contexto do português do Brasil como segunda língua. 2015. 207f. Tese (Doutorado) -, Instituto de Letras, Departamento de Linguística, Português e Línguas Clássicas, Programa de Pós-Graduação em Linguística. Universidade de Brasília, Brasília, 2015.

MARCONI, Marina A.; LAKATOS, Eva M. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

McCLEARY, Leland; VIOTTI, Evani. Semântica e pragmática. Curso Letras-Libras da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis: SC, 2009.

QUADROS, Ronice M. de; KARNOPP, Lodenir B. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004.

SALLES, Heloisa M. M. L. et al. Ensino de língua portuguesa para surdos: caminhos para a prática pedagógica. Programa Nacional de Apoio à Educação dos Surdos. Brasília: MEC, SEEDF, 2004.

SOBRINHO, Jerônimo Coura. Uso do dicionário configurando estratégia de aprendizagem de vocabulário. In: LEFFA, Vilson J. (Org.). As palavras a sua companhia: O léxico na aprendizagem das línguas. Pelotas: EDUCAT - Editora da Universidade Católica de Pelotas, 2000.

TOSQUI, Patrícia. Advérbios modalizadores: subsídios para dicionários bilíngues. 2002. 144f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual de São Paulo, Faculdade de Ciências e Letras, São Paulo, 2002.

VILARINHO, Michelle. M. de O. Proposta de dicionário informatizado analógico de língua portuguesa. 2013. 306f. Tese (Doutorado) –, Instituto de Letras, Departamento de Linguística, Português e Línguas Clássicas, Programa de Pós-Graduação em Linguística. Universidade de Brasília, Brasília, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321-11esp2114

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrepalavras © 2012. Todos os direitos reservados.
Av. da Universidade, 2683, Benfica, CEP 60020-180, Fortaleza-CE | Fone: (85) 3366.7629
Creative Commons License
Entrepalavras (ISSN: 2237-6321) está licenciada sob Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0.