Dicionário monolíngue de língua estrangeira: visitas guiadas como instrumentalização para uma autonomia no aprendizado da língua

Álvaro David Hwang

Resumo


O presente trabalho inspira-se na preocupação de muitos estudiosos de lexicografia em promover o papel dos dicionários no ensino/aprendizagem de línguas. Com base num suporte teórico de autores como Binon e Verlinde (1999), Lehmann (2014) e Galisson (1983, 1987), cujos trabalhos abordam o papel do dicionário como ferramenta de aprendizagem, propomos aqui uma visita guiada a um dicionário monolíngue de língua francesa, a exemplo daquelas que comumente são propostas para uma abordagem pedagógica em museus, catedrais e monumentos, a fim de promover, junto aos potenciais usuários de obras lexicográficas dessa natureza, uma familiarização com o enunciado lexicográfico e, por conseguinte, um interesse por uma leitura mais observadora das informações, tendo como objetivo principal a compreensão de que a consulta pode se transformar num espaço de descobertas que vai além daquilo que, eventualmente, suscitou a consulta. Esse percurso tem um valor puramente demonstrativo, de modo que, diante de suas múltiplas configurações possíveis e o interesse por aspectos específicos e variados da descrição, ele pode ser enriquecido e direcionado de outras formas por aqueles que compreendem que relegar o usuário à própria sorte, armado apenas do domínio da ordem alfabética, não basta para um bom aproveitamento do uso dos dicionários. As visitas guiadas teriam, nesse sentido, um papel importante também como exercício de sedução, com o intuito de estreitar as relações do usuário com o dicionário.


Palavras-chave


Lexicografia. Dicionário monolíngue. Visitas guiadas.

Texto completo:

PDF

Referências


BARON, A.; BERTRAND, J. Utiliser le dictionnaire monolingue en classe de langue. In: Correspondance : Cinq pistes pour favoriser le développement des compétences à l’écrit. v. 18, n. 1, 2012. Disponível em . Acesso em: 14 jul. 2020.

BINON, J.; VERLINDE, S. La contribution de la lexicographie pédagogique à l’apprentissage et à l’enseignement d’une langue étrangère ou seconde. Études de Linguistique Appliquée, Paris, n. 116, 1999, p. 453-468.

CAMPOS, M. C. Sobre la elaboración de diccionarios monolingües de producción. Granada: Universidad de Granada, 1994.

CHI, M. L. A. Teaching dictionary skills in the classroom. In: EURALEX - INTERNATIONAL CONGRESS ON LEXICOGRAPHY, 8., 1998, Liège. Proceedings of the VIII Euralex Congress of Lexicography. Liège: Euralex´98, 1998. Disponível em . Acesso em: 27 jul. 2020.

ESCRIVÁ, M. B. El programa de ejemplificación en los diccionarios didácticos. In: EURALEX – INTERNATIONAL CONGRESS ON LEXICOGRAPHY, 13, 2008, Barcelona. Proceedings of the XIII Euralex Congress on Lexicography. Barcelona: Euralex´2008, 2008. Disponível em: . Acesso: em 15 jun. 2020.

GALISSON, R. Image et usage du dictionnaire chez les étudiants (en langue) de niveau avancé. Études de Linguistique Appliquée, Paris, n. 49, 1983, p. 5-88.

GALISSON, R. De la lexicographie de dépannage à la lexicographie d’apprentissage. Pour une politique de rénovation des dictionnaires monolingues de FLE à l’école. Cahiers de Lexicologie, Paris, v. 51, n. 2, 1987, p. 95-118.

HÖFLING, C.; SILVA, M. C. P.; TOSQUI, P. O dicionário como material didático na aula de língua estrangeira. Intercâmbio, São Paulo: LAEL-PUC/SP, v. 13, 2004. Disponível em . Acesso em: 19 jun. 2020.

KRIEGER, M. da G. O dicionário de língua como potencial instrumento didático. In: ALVES, I. M.; ISQUERDO, A. N. (orgs.). As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia. Campo Grande: UFMS, 2007, p. 295-309.

LEHMANN, A. Lecture du dictionnaire: lecture naïve vs lecture avertie. In: HEINZ, M. (org.) Les sémiotiques du dictionnaire. Actes des Cinquièmes Journées Allemandes des Dictionnaires. Berlin: Franz & Timme GnbH, 2014, p. 27-45.

REY, A.; DELESALLE, S. Problèmes et conflits lexicographiques. Langue française, Paris, n. 43, p. 4-26, 1979.

REY-DEBOVE. J. Étude linguistique et sémiotique des dictionnaires français contemporains. The Hague/Paris: Mouton, 1971.

SILVA, S. P. de J. Visita guiada: uma estratégia da educação museal. 2011. 126 f. Dissertação (Mestrado em Museologia) – Programa de Pós-graduação em Museologia, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 2011. Disponível em . Acesso em: 19 ago. 2020.




DOI: http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321-10esp2070

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrepalavras © 2012. Todos os direitos reservados.
Av. da Universidade, 2683, Benfica, CEP 60020-180, Fortaleza-CE | Fone: (85) 3366.7629
Creative Commons License
Entrepalavras (ISSN: 2237-6321) está licenciada sob Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0.