A organização narrativa do sentido político: causalidade e instituição metafórico-metonímica em textos de opinião

Rodrigo Seixas

Resumo


Em momento de polarização política, sobretudo, distintas narrativas são produzidas com o intuito de explicarem um mesmo fenômeno. Isso se dá pelo próprio caráter da política, enquanto disputa pelo poder, posto que o estabelecimento da verdade dos fatos é também uma questão de disputa pela hegemonia do sentido. A narrativa tem, nessa perspectiva, papel quase mágico na construção de sentidos por meio do discurso. Motta (2013) considera, na esteira de Bruner (1998), a narrativa como o cânon organizador de realidade e, portanto, é possível falar de uma função cognitiva própria à narratividade. Este artigo estabelece um diálogo entre análise do discurso, argumentação e cognição, por meio da análise de trechos de dois artigos jornalísticos de opinião em que se pode perceber, através da narratividade, a ocorrência de dois processos discursivos, o da causalidade e o metafórico-metonímico, ambos integrados para condensar, ao final do texto, sentidos específicos e determinados.


Palavras-chave


Discurso. Opinião. Narrativa.

Texto completo:

PDF

Referências


AMOSSY, R. L’argumentation dans le discours. 3. ed. Paris: Armand Colin, 2010.

ANGENOT, M. Dialogues des sourds: traité de rhétorique antilogique. Paris: Fayard, 2008.

ANGENOT, M. L’histoire des idées. Liège: Presses Universitaires de Liège, 2014.

BAZERMAN, C. Teoria da ação letrada. Tradução de Milton Camargo Mota et al. São Paulo: Parábola, 2015.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Tradução de Fernando Tomaz. Lisboa: DIFEL, 1989.

BRUNER, J. Realidade mental, mundos possíveis. Tradução de Marcos A. G. Domingues. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

AVRITZER, L. Democracia no Brasil: do ciclo virtuoso à crise política aberta. In: BOTELHO, A.; STARLING, H. M. (Orgs.). República e democracia: impasses do Brasil contemporâneo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2017.

CHARAUDEAU, P. Discurso das mídias. Tradução de Angela S. M. Corrêa. São Paulo: Contexto, 2006.

CHARAUDEAU, P. Le discours politique: les masques du pouvoir. Paris: Vuibert, 2005.

CHARAUDEAU, P. Linguagem e discurso: modos de organização. Tradução de Ângela M. Côrrea e Ida Lúcia Machado (Orgs.). São Paulo: Contexto, 2008.

FESTINGER, L. A theory of cognitive dissonance. Stanford, California: Stanford University Press, 1962.

FOLHA DE SÃO PAULO. Repúdio Geral. Editorial. 7 set. 2018. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2018/09/repudio-geral.shtml. Acesso em: 5 set. 2018.

GRÁCIO, R. Retórica e objetividade. EIDEA - Revista Eletrônica de Estudos Integrados em Discurso e Argumentação, Ilhéus, n. 6, p. 171-184, jun. 2014.

GRIZE, J.-B. Logique naturelle et communications. Paris: PUF, 1996.

KOCH, I. V.; CUNHA-LIMA, M. L. Do cognitivismo ao sociocognitivismo. In: MUSSALIM, Fernanda; BENTES, A. C. Introdução à linguística: fundamentos epistemológicos. v. 3. São Paulo: Cortez, 2004.

MOIRAND, S. “L’événement « saisi » par la langue et la communication”. Cahiers de praxématique, n. 63, 2014. Disponível em: http://journals.openeditions.org/praxematique/2362. Acesso em: 19 abr. 2020.

MOTTA, L. G. Análise crítica da narrativa. Brasília: Editora da UNB, 2013.

NIETZSCHE, F. Sobre verdade e mentira. Tradução de Fernando Barros. São Paulo: Hedra, 2007.

O ESTADO DE SÃO PAULO. O atentado contra Bolsonaro. Editorial. 8 set. 2018. Disponível em: https://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,o-atentado-contra-bolsonaro,70002492882. Acesso em: 5 set. 2018.

PLANTIN, C. Dictionnaire de l’argumentation: une introduction aux études d’argumentation. Lyon: ENS Éditions, 2016.

RABATEL, A. Homo Narrans: por uma abordagem enunciativa e interacionista da narrativa: pontos de vista e lógica da narração - Teoria e análise. Tradução Maria das Graças Rodrigues et al. São Paulo: Cortez, 2016.

RICOEUR, P. Tempo e narrativa. v. 1. São Paulo: Papirus, 1994.

ROCHA, M. “Adélio agiu sozinho na facada em Bolsonaro, conclui Procuradoria ao pedir arquivamento de inquérito”. Folha de São Paulo, 4 jun. 2020. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/poder/2020/06/adelio-agiu-sozinho-na-facada-em-bolsonaro-conclui-procuradoria-ao-pedir-arquivamento-de-inquerito.shtml. Acesso em: 22 set. 2020.

SEIXAS, R. Gosto, logo acredito: o funcionamento cognitivo-argumentativo das fake news. Caderno de Letras da UFF, Niterói, v. 30, n. 59, p. 279-295, 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321-12022

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrepalavras © 2012. Todos os direitos reservados.
Av. da Universidade, 2683, Benfica, CEP 60020-180, Fortaleza-CE | Fone: (85) 3366.7629
Creative Commons License
Entrepalavras (ISSN: 2237-6321) está licenciada sob Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0.