A integração do léxico português no ensino da língua cokwe

Ana Alexandra Silva, Albano Agostinho Eduardo

Resumo


A língua portuguesa, enquanto entidade cultural abstrata, é exteriorizada como um instrumento de comunicação, presente em África, com maior expressividade em Angola e Moçambique (HAGEMEIJER, 2016), desde o século XV, num período de contacto continental. O presente artigo pretende contribuir para a discussão em torno do papel da língua portuguesa em Angola, ou melhor, para a multiplicidade de papéis que a língua oficial acaba por assumir no quotidiano dos seus falantes. Iremos centrar a nossa análise numa das línguas nacionais, o cokwe, tentando mostrar em que medida esta língua nacional interage com a língua oficial. Destacamos a integração desta língua nacional no subsistema de ensino primário, através de um programa de ensino bilingue. Haverá, pois, lugar a interferências que ocorrem no sentido cokwe–português e, mais tarde, português–cokwe. Para tal, iremos destacar as estratégias de integração lexical (mudança, nasalização e assimilação) e processos de acomodação dos estrangeirismos. Recolhemos exemplos que visam demonstrar como as unidades afixais são determinadas pela atração da natureza estrutural e semântica da raiz.


Palavras-chave


Léxico. Integração. Cokwe.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, E. de. Línguas africanas: breve introdução à fonologia e à morfologia. Santo António dos Cavaleiros: A. Santos, 2007.

ANGOLA. Constituição da República de Angola: promulgada em 05 de fevereiro de 2010. Luanda: Angola, 2010.

ANTUNES, M.; CORREIA, M.; GONÇALVES, R. Neologismos terminológicos na área da economia: processos mais frequentes em português europeu. Associação de Informação Terminológica (AiT), 2004. Disponível em: http://www.iltec.pt/pdf/wpapers/2004-ait-neo_econ.pdf. Acesso em: 11 nov. 2018.

BEVILACQUA, J. De caçadores a caça: sobas, Diamang e o Museu do Dundo. 2016. Tese (Doutorado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2016. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8138/tde-25082016-132727. Acesso em: 6 jun. 2017.

CAPPELLO, H.; IVENS, R. De Benguela às terras de Iacca. Descrição de uma viagem na África Central e Ocidental. Vol. I. Lisboa: Imprensa Nacional, 1881.

CARIOCA, C. As funções sociais da língua e as políticas de difusão do Português no Timor-Leste. DELTA, São Paulo, v. 32 n. 2, ago. 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-44502016000200427&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 28 ago. 2020.

CARRASCO, A. Subsídios para o estabelecimento da norma do português em Angola. Monografia de licenciatura. Huila: ISCED, 1988.

CARVALHO, S. Convergência e divergência na acomodação dialetal: uma questão de identidade. UFPE/FALUB/UVA. 49-74. In: XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA. 2014. Disponível em: http://www.filologia.org.br/xviii_cnlf/cnlf/12/004.pdfFcarl. Acesso em: 11 nov. 2018.

CHICUMBA, M. A educação bilingue em Angola e o lugar das línguas nacionais. In: IV COLOQUIO INTERNACIONAL DE DOUTORANDO/AS DO CES. CABO DOS TRABALHOS. 2013. p. 1-10. Disponível em: https://cabodostrabalhos.ces.uc.pt/10/documentos/11.1.2_Mateus_Segunda_Chicumba.pdf. Acesso em: 17 fev. 2017.

CHICUNA, A. Portuguesismos – Neologismos e sua dicionarização na língua kiyombe. In: MARÇALO, M. et al. Língua portuguesa: ultrapassar fronteiras, juntar culturas. Universidade de Évora. 2010. Disponível em: http://www.simelp2009.uevora.pt/pdf/slg1/06.pdf. Acesso em: 4 maio 2018.

COSSA, E. Línguas nacionais no sistema de ensino para o desenvolvimento da educação em Moçambique. 2007. Dissertação – Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. Porto Alegre, 2007. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/10832/000601940.pdf. Acesso em: 28 jan. 2020.

DIÁRIO DA REPÚBLICA DE ANGOLA. Lei n.º 17 de outubro de 2016, série n.º170 Lei no17/16. Lei de Bases do Sistema de Educação, 2016.

DIAS, J. Caçadores, artesãos, comerciantes, guerreiros: os Cokwe em perspectiva histórica. A antropologia dos Tshokwe e povos aparentados. 2003. Disponível em: http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/7896.pdf. Acesso em: 23 jun 2017. p. 17-48.

EDUARDO, A. Expressões nominais genéricas num corpus oral do português de Angola. Dissertação de Mestrado. Lisboa: FCSH, 2016.

HAGEMEIJER, T. O português em contacto em África. 2016. p. 43-67. Disponível em: http://repositorio.ul.pt/bitstream/31040/1/Hagemeijer2016%28MLP%29.pdf. Acesso em: 3 fev. 2017.

INIDE. Projecto Estratégia de Inserção das Línguas Nacionais no Ensino. Luanda, 2015.

INE. Censo Geral da População e Habitação. Luanda, 2014.

INE – Angola. Divulgação dos resultados definitivos das províncias do Cunene, Cuanza-sul, Bié e Bengo. 2016. Disponível em: http://censo.ine.gov.ao/xportal/xmain?xpid=censo2014. Acesso em: 15 jan. 2017.

INVERNO, L. Contacto linguístico em Angola: retrospetiva e perspetivas para uma política linguística. In: PINTO, P. F.; MELO-PFEIFER, S. Políticas Linguísticas em Português. Lisboa: LIDEL, 2018. p. 82-105.

JORGE, L. A colecção Henrique de Carvalho da Sociedade de Geografia de Lisboa à luz de um plano de estudo e conservação e restauro. Tese de mestrado. ISCTE, 2008. Disponível em: http://www.africafederation.net/HENRIQUE%20DE%20CARVALHO.pdf. Acesso em: 7 ago. 2018.

KUKANDA, V. Diversidade linguística em África. Africa Studia: Revista Internacional de Estudos Africanos, n. 3, p. 101-117, 2000.

LIMA, M. A sociedade tchokwe, a baixa de kassanji, os Jinga e a rainha Jinga. In: 1º ENCONTRO DE REFLEXÃO SOBRE CULTURA E AMBIENTE NO LESTE DE ANGOLA. Associação de Naturais e Amigos do Leste. ASLESTE, [s.d.]. p. 37-60.

MANASSA, J. Lunda. História e sociedade. Luanda: Editora Mayamba, 2014.

MARQUES, I. Algumas considerações sobre a problemática linguística em Angola. In: ACTAS DO CONGRESSO SOBRE A SITUAÇÃO ATUAL DA LÍNGUA PORTUGUESA NO MUNDO. Vol. I. 205-223. Lisboa: Instituto de Cultura e Língua Portuguesa, 1983.

MARTINS, J. Elementos da gramática utchokwe. Lisboa: Ministério do Planeamento e da Administração do Território, Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia, Instituto de Investigação Científica Tropical, 1990.

MBANGALE, M. Empréstimos portugueses em Suaíli. Alguns aspectos da sua integração morfológica. Dissertação de mestrado. Lisboa: Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 1994.

MINGAS, A. Interferência do kimbundu no português falado em Lwanda. Luanda: Edições Chá de Caxinde, 2000.

NOGUEIRA, R. Temas de linguística banta: dos elementos prefixados bantos. Vol. 3. Instituto de Línguas Africanas e Orientais: Anexo a Escola Superior Colonial, 1952.

NZAU, D.; VENÂNCIO, J.; SARDINHA, M. Em torno da consagração de uma variante angolana do português: subsídio para uma reflexão. Limite, n. 7, p. 159-180, 2013. Disponível em: http://www.revistalimite.es/volumen%207/09nzau.pdf. Acesso em: 14 fev. 2018.

QUINO, A. A importância das línguas africanas de Angola no processo de aprendizagem da língua portuguesa. Monografia de licenciatura. Luanda: ISCED Universidade Agostinho Neto, 2005.

SANTANA, F. Formação de Angola e as resistências africanas. In: VIII ENCONTRO ESTADUAL DE HISTÓRIA. ANPUH. 2016. Disponível em: http://snh2011.anpuh.org/resources/anais/49/1476981752_ARQUIVO_FormacaodeAn olaeasResistenciasAfricanas.pdf. Acesso em: 2 jul. 2018.

SANTOS, E. Elementos de gramática quioca. Lisboa: Agência-Geral do Ultramar, 1962.

DECLARAÇÃO Universal dos Direitos Linguísticos. Lisboa: Campo das Letras. 2001.

VILELA, M. Gramática da língua portuguesa. Gramática da palavra. Gramática da frase. Gramática do texto/Discurso. 2. ed. Coimbra: Livraria Almedina, 1999.

ZAU, F. O bilinguismo e o multilinguismo. A realidade sociocultural que não devemos ocultar. In: XII ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO DAS UNIVERSIDADES DE LÍNGUA PORTUGUESA, AULP. Luanda. 2002. p. 182-183.




DOI: http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321-10esp2014

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrepalavras © 2012. Todos os direitos reservados.
Av. da Universidade, 2683, Benfica, CEP 60020-180, Fortaleza-CE | Fone: (85) 3366.7629
Creative Commons License
Entrepalavras (ISSN: 2237-6321) está licenciada sob Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0.