O Brasil referenciado em skins do jogo SMITE

Bruno Brandão, Elaine Cristina Medeiros Frossard

Resumo


O presente estudo objetiva identificar as referências culturais e linguísticas (primariamente fonético-fonológicas) em relação ao Brasil em SMITE. Nesse contexto, as skins (modificações estéticas para personagens do jogo) Vamana Cangaceiro e Globeneith, bem como seus respectivos conjuntos de falas, em língua inglesa, são tomados como recorte. A pesquisa, predominantemente qualitativa, compara as skins no tocante a aspectos visuais e fônicos, bem como observa itens lexicais que remetam ao Brasil. As referências visuais se apresentaram mais complexas (e menos estereotípicas) na primeira skin, ao passo que, na segunda, elementos referentes à produção oral se destacaram. Em ambos os casos, entretanto, houve elementos que sinalizavam para referências a outras culturas.


Palavras-chave


Jogo digital. SMITE. Representações do Brasil. Referências visuais. Fonética e Fonologia.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, C. L.; PEREIRA, C. E. S.. Cultura visual, gênero e poder: a estereotipação do corpo feminino no jogo SMITE. In: II Seminário Internacional de Pesquisa em Arte e Cultura Visual, 2018, Goiânia. Anais... Goiânia: Universidade Federal de Goiás, 2018. p. 692-702. Disponível em: . Acesso em: 30 ago. 2019.

ALKMIN, T. M. Sociolinguística: parte 1. In: MUSSALIN, F.; BENTES, A. C. (orgs.). Introdução à linguística: domínios e fronteiras. São Paulo: Cortez, 2001. v. 1. p. 1-47.

ALVES, U. K. A aquisição das sequências finais de obstruintes do inglês (L2) por falantes do sul do Brasil: análise via teoria da otimidade. 2008. Tese (Doutorado em Letras) – Faculdade de Letras, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008. Disponível em: . Acesso em: 19 set. 2020.

ARAÚJO, G. G. Aparição do cangaceiro. In: VI ENECULT, Salvador, 2010. Anais… Salvador: Centro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, 2010. n.p. Disponível em: . Acesso em: 02 mar. 2019.

BAGATINI, J. Epic Win: análise da cultura gamer no Brasil: a consolidação das marcas no universo fantástico dos jogos eletrônicos. Santa Cruz do Sul: UNISC, 2016, 86p. Disponível em: . Acesso em: 24 dez. 2018.

CALLOU, D.; LEITE, Y. Iniciação à fonética e à fonologia. 11. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009. Disponível em: <[https://books.google.com.br/books?hl=pt-BR&lr=&id=lO14f6VxYxoC&oi=fnd&pg=PP1&dq=fon%C3%A9tica+e+fonologia&ots=agTeHxW7Gv&sig=xQYmhNdR86p4VnXTRzA8S6HTqEw#v=onepage&q=nema&f=false>. Acesso em: 12 mar. 2019.

CLEMENTE, M. E. A. Cangaço e cangaceiros: histórias e imagens fotográficas do tempo de Lampião. Fênix – Revista de História e Estudos Culturais, Uberlândia, v. 4, n. 4, p. 1-18, out./nov./dez. 2007. Disponível em: . Acesso em: 24 mai. 2019.

COELHO, I. L.; SOUZA, C. M. N. de; GÖRSKI, E. M.; MAY, G. H. Para conhecer sociolinguística. São Paulo: Contexto, 2015.

GRUPO GLOBO. GAME de batalha em arenas ‘Smite’ chega traduzido ao Brasil. G1, São Paulo, 06 jun. 2014. Tecnologia e Games. Disponível em: . Acesso em: 25 dez. 2018.

GUTIERRES, A. Variação na aquisição fonológica: análise da produção da nasal velar em inglês (L2). 2016. Tese (Doutorado em Letras) – Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016. Disponível em: . Acesso em: 19 set. 2020.

HUIZINGA, J. Natureza e Significado do Jogo como Fenômeno Cultural. In: HUIZINGA, J. Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. Tradução João Paulo Monteiro. São Paulo: Perspectiva, 2007, cap. 1. p. 3-31. Disponível em: . Acesso em: 07 mar. 2019.

KLUGE, D. C. Perception and production of English syllable-final nasals by Brazilian learners. 2004. Dissertação (Mestrado em Letras/Inglês e Literatura Correspondente) – Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, 2004. Disponível em: . Acesso em: 18 set. 2020.

LABOV, W. Contraction, deletion and inherent variability of the English copula. Language, v. 45, n. 04, p. 715-762, 1969.

LAMPRECHT, R. R. Glossário. In: LAMPRECHT, R. Consciência dos sons da língua: subsídios teóricos e práticos para alfabetizadores, fonoaudiólogos e professores de língua inglesa. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2009, p. 341-352. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2020.

LIMA JR., R. Padrões de duração de seis vogais do inglês produzidas por alunos brasileiros. Estudos da Lingua(gem), Vitória da Conquista, v. 12, n. 2, p. 13-30, dez. 2014. Disponível em: . Acesso em: 23 set. 2020.

MARCELINO, R. M. A.; MORAES, I.; RAMOS, C. M.; SATO, S. K.; SILVEIRA, R. A. O consumo in-game: Uma análise comparativa de duas modalidades de compra em MMOs. In: 40º CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 2017, Curitiba. Anais… São Paulo: Intercom. Disponível em: . Acesso em: 24 dez. 2018.

NASCIMENTO, G. C. A. Epêntese vocálica em encontros consonantais por falantes brasileiros de inglês como língua estrangeira. 2015. 151f. Dissertação (Mestrado em Linguística e Língua Portuguesa). Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara. Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2019.

RAUBER, A. S. Perception and production of English vowels by Brazilian EFL speakers. 2006. Tese (Doutorado em Letras/Inglês e Literatura Correspondente), Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, 2006.

SANTOS, A. L. S. O irredentismo no nordeste demonstrado no chapéu do cangaceiro. In: V CONGRESSO SERGIPANO DE HISTÓRIA E V ENCONTRO ESTADUAL DE HISTÓRIA DA ANPUH/SE, Aracajú, 2016. Anais… Aracajú: Associação Nacional de História, out. 2016. Disponível em: . Acesso em: 02 mar. 2019.

SANTOS, J. P. Q. SMITE: Tradução e Localização: apropriação cultural dentro do mundo dos videojogos. 2018. 92 f. Dissertação (Mestrado em Tradução e Interpretação Especializadas) – Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto, Instituto Politécnico do Porto, Porto (Portugal), 2018. Disponível em: . Acesso em: 30 ago. 2019.

SANTOS, L. V. V. A nacionalidade em jogo: representações do Brasil em jogos digitais. 2012. 141 f. Dissertação (Mestrado em Cultura e Sociedade). – Instituto de Humanidades, Artes e Ciências, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2012. Disponível em: . Acesso em: 02 mar. 2019.

SHEPHERD, D.. Portuguese speakers. In: SMITH, B.; SWAN, M. (orgs.). Learner English. 2. ed. Cambridge: Cambridge University Press, , 2001, p. 113-128.

SILVEIRA, R.. Ensino de pronúncia e a discriminação de padrões silábicos. DELTA – Documentação e Estudos em Linguística Teórica e Aplicada, São Paulo, v. 27, n. 01, p. 21-36, 2011. Disponível em: . Acesso em 27 set. 2020.

SOUZA, H. K. Brazilian EFL learners’ awareness about L2 phones: is mall pronounced as ‘mal’?. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, v. 56, n. 1, p. 235-258, Jan./Abr. 2017. Disponível em: . Acesso em: 14 mar. 2019.

SOUZA, R. V. F. O conceito de “gameplay experience” aplicado à localização de games. Scientia Traductionis, Florianópolis, n. 15, p. 8-26, 2014. Disponível em: .

THOMAS, E. R. Phonological and Phonetical Characteristics of African American Vernacular English. Language and Linguistics Compass, s.l., v. 1, p. 450-475, 2007. Disponível em: . Acesso em: 27 nov. 2020.

ZIMMER, M.; SILVEIRA, R.; ALVES, U. K. Cognition and second language aquisition. In: ZIMMER, M.; SILVEIRA, R.; ALVES, U. K. Pronunciation instruction for Brazilians: bringing theory and practice together. Cambridge: Cambridge Scholars Publishing, 2009, p. 1-10. Disponível em: . Acesso em: 14 mar. 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321-21943

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrepalavras © 2012. Todos os direitos reservados.
Av. da Universidade, 2683, Benfica, CEP 60020-180, Fortaleza-CE | Fone: (85) 3366.7629
Creative Commons License
Entrepalavras (ISSN: 2237-6321) está licenciada sob Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0.