Uso variável de nós e a gente em jornais publicados na Cidade de Goiás

Luciana Cristina de Sousa Ribeiro, Marília Silva Vieira

Resumo


As pesquisas sociolinguísticas (LOPES, 1998, 2003a, 2003b, 2004, 2007 e outras) têm demonstrado que a forma pronominal a gente está implementada no Português Brasileiro (doravante PB), figurando como alternativa ao pronome nós. Ao tratar dessa temática, o presente artigo apresenta parte de uma pesquisa mais ampla acerca da variação dos pronomes-sujeito nós e a gente em um corpus escrito da Cidade de Goiás-GO. Para esta pesquisa, julgou-se pertinente investigar quando a forma pronominal inovadora começou a ser utilizada pelos vilaboenses (gentílico aos nativos da cidade). Para tanto, optou-se por realizar busca de textos antigos na cidade, publicados em jornais e periódicos, desde a sua fundação, até meados da transferência da capital para Goiânia. Dessa maneira, observados os períodos, almeja-se ainda verificar em quais gêneros textuais a forma esteve mais presente e se a variante nós era mais recorrente. A pesquisa está calcada nos estudos da Teoria Variacionista de base laboviana (LABOV, 1978, 2008; WEINER; LABOV, 1983; WEINREICH; LABOV; HERZOG, 2006) e nas  pesquisas sobre gramaticalização clássica, a fim de investigar a variação pronominal de primeira pessoa do plural no Português Brasileiro (CASTILHO, 1997, 2016; LOPES, 1998, 2003a, 2003b, 2004; VIANNA; LOPES, 2015, dentre outros), A análise dos dados aponta para ocorrências da forma a gente (figurando como pronome-sujeito substituto de nós) nos anos 1800, na comunidade vilaboense, em contextos menos formais. Por outro lado, a forma nós prevalece nos contextos mais formais.


Palavras-chave


Variação pronominal. Gramaticalização. Sociolinguística Variacionista.

Texto completo:

PDF

Referências


A CRUZ: Revista Catholica, Goyaz, 1890, 29. ed., p. 238. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=763403. Acesso em: 10 dez. 2018.

ÁLBAN, Maria del Rosário; FREITAS, Judith. Nós ou a gente? Estudos linguísticos e literários, Salvador, n. 11, p. 75-89, 1991.

A TRIBUNA LIVRE: Órgão do Club Liberal de Goyaz, Goyaz, 27. ed., 1878. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=717592. Acesso em: 10 dez. 2018.

CASTILHO, Ataliba T. de. A gramaticalização. Estudos linguísticos e literários, Salvador, UFBA, n. 19, p. 25-64, 1997.

CASTILHO, Ataliba T. de. Nova gramática do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2016.

CORREIO OFFICIAL DE GOYAZ, Goyaz, 34. ed., 1880. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=167487&PagFis=177&Pesq=a%20gente. Acesso em: 6 jan. 2019.

FREIRE, Isabela. Jornal O Lar e a escrita de mulheres em Goiás: o entre-lugar das negociações e reiterações com o poder patriarcal. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Ciências Sociais (FCS) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Goiânia, 2006.

GONÇALVES, Sebastião Carlos Leite; LIMA-HERNANDES, Maria Célia; CASSEB-GALVÃO, Vânia Cristina. (Org.). Introdução à gramaticalização: princípios teóricos e aplicação. São Paulo: Parábola, 2007.

HOPPER, Paul. J. On some principles of grammaticization. In: TRAUGOTT, E. C. & HEINE, B. (ed.). Approaches to grammaticalization. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Company, 1991.

ILARI, Rodolfo; BASSO, Renato. O português da gente: a língua que estudamos a língua que falamos. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2017.

JORNAL CIDADE DE GOIAZ, Goyaz, 70. ed., p. 1, 1940. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=800139x. Acesso em: 10 dez. 2018.

JORNAL GOYAZ, Goyaz, 8. ed., p. 2, 1885. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/docreader.aspx?bib=246590&pasta=ano%20188&pesq=. Acesso em: 10 dez. 2018.

LABOV, William. Where does the linguistic variable stop? A response to Beatriz Lavandera. Working papers in sociolinguistics, Washington-DC, n. 44, 1978. Disponível em: https://files.eric.ed.gov/fulltext/ED157378.pdf. Acesso em: 10 mai. 2019.

LABOV, William. Padrões Sociolinguísticos. Trad. Marcos Bagno e Maria Marta Pereira Scherre e Caroline R. Cardoso. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

LAVANDERA, Beatriz R. Los limites de la variable sociolinguística. In: LAVANDERA, Beatriz R. Variación y significado. Buenos Aires: Libreria Hachette, 1984.

LOPES, Célia Regina dos Santos. Nós e a gente no português falado culto do Brasil. DELTA, São Paulo, v. 14, n. 2, 1998. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-44501998000200006. Acesso em: 4 set. 2018.

LOPES, Célia Regina dos Santos. A inserção de ´a gente´ no quadro pronominal do português. Frankfurt am Main/Madrid: Vervuert/Iberoamericana, 2003a. Disponível em: www.ibero-americana.net/cgi-in/infodetail.cgi?isbn=9788484890614&doknr=521061〈=de&txt=beschreibung. Acesso em: 15 jul. 2018.

LOPES, Célia Regina dos Santos. A indeterminação no Português arcaico e a pronominalização de nominais: mudança encaixada? ENCONTRO INTERNACIONAL DE ESTUDOS MEDIEVAIS DA ABREM, 5., 2003b. Anais [...]. Salvador: ABREM, 2003b. Disponível em: www.letras.ufrj.br/posverna/docentes/70994-2.pdf. Acesso em: 30 ago. 2018.

LOPES, Célia Regina dos Santos. A Gramaticalização de a gente em Português em tempo real de longa e de curta duração: retenção e mudança na especificação dos traços intrínsecos. Fórum Linguístico, Florianópolis, v. 4, n. 1, p. 47-80, jul. 2004. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/forum/article/view/7728. Acesso em: 08 ago. 2018.

LOPES, Célia Regina dos Santos. Pronomes pessoais. In: BRANDÃO, Silvia Figueiredo; VIEIRA, Silvia Rodrigues. (org.). Ensino de gramática: descrição e uso. São Paulo: Contexto, 2007, p. 103-114.

NEVES, Maria Helena de Moura. Guia de usos do português: confrontando regras e usos. 2. ed. São Paulo: Editora da UNESP, 2012.

O ESTADO DE GOIAZ, Goiás, 1563. ed., 1955. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=763500. Acesso em: 10 dez. 2018.

O PUBLICADOR GOYANO, Goyaz, 45. ed., p. 4, 1886. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=716774. Acesso em: 10 dez. 2018.

PAIVA, Maria da Conceição A. de.; DUARTE, Maria Eugênia Lamoglia. Quarenta anos depois: a herança de um programa na Sociolinguística brasileira. In: WEINREICH, Uriel; LABOV, William; HERZOG, Marvin I. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. Tradução Marcos Bagno. São Paulo: Parábola, 2006.

PASSADO! PRESENTE... FUTURO?, Voz do povo, Goyaz, 209. ed., 1934. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=763454. Acesso em: 10 dez. 2018.

VIANNA, Juliana Segadas; LOPES, Célia Regina dos Santos. Variação dos pronomes “nós” e “a gente”. In: ABRAÇADO, Jussara; MARTINS, Marco Antonio. (Org.). Mapeamento sociolinguístico do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2015. p. 109-131.

VOZ DO POVO, Goyaz, 3. Ed., 1927. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=763454&PagFis=4&Pesq=n%C3%B3s. Acesso em: 10 dez. 2018.

VOZ DO POVO. Goyaz, 6. ed., p. 4, 1927. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=763454. Acesso em: 10 dez. 2018.

VOZ DO POVO. Goyaz, 8. ed., p. 4, 1927. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=763454. Acesso em: 10 dez. 2018.

WEINER, E. Judith; LABOV, William. Constraints on the agentless passive. Journal of linguistics, Cambrigde, n. 19, p. 29-58, 1983. Disponível em: http://journals.cambridge.org/abstract_S0022226700007441. Acesso em: 10 mai. 2019.

WEINREICH, Uriel; LABOV, William; HERZOG, Marvin I. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. Tradução Marcos Bagno. São Paulo: Parábola, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321-31536

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrepalavras © 2012. Todos os direitos reservados.
Av. da Universidade, 2683, Benfica, CEP 60020-180, Fortaleza-CE | Fone: (85) 3366.7629
Creative Commons License
Entrepalavras (ISSN: 2237-6321) está licenciada sob Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0.