Análise dialógica da argumentação polêmica: uma hipótese geral

Lucas Nascimento Silva

Resumo


Tudo adquire sentido ao ser humano ao redor de “um centro concreto de valores que é pensado, visto, amado” (BAKHTIN, 2010, p. 124). É a partir desse centro de amores que o homem age responsavelmente em relação ao outro, de maneira que a compreensão do dialogismo polêmico tem de ter isso em foco ao visar um sujeito polemizando. Desse modo, é razoável afirmar que o ato de guerrear polemicamente pressupõe a reação a um valor amado que está ameaçado por um valor contrário, portanto, por um valor que se odeia por ameaçar o que se ama. Na perspectiva de uma análise dialógica da argumentação, resultado do encontro entre Bakhtin e Perelman e Olbrechts-Tyteca, proposta em meu trabalho de doutorado, trago uma reflexão teórica e discuto os fundamentos da hipótese de que a polêmica é um ódio velado aos valores amados do outro, manifestando-se argumentativamente, sobretudo, pela polarização, cujas características particulares vão se delineando no processo argumentativo concreto. A partir dessa hipótese, outras são delineadas e testadas, servindo de dispositivos analíticos para a compreensão da polêmica religiosoafetiva em torno da discussão do Projeto de Lei anti-homofobia, no Senado Federal do Brasil.


Palavras-chave


Dialogismo polêmico. Argumentação. Polêmica.

Texto completo:

PDF

Referências


AMOSSY, Ruth. Apologia da polêmica. São Paulo: Contexto, 2017.

______. Apologie de la polémique. Paris: Presses Universitaires de France, 2014.

ANGENOT, Marc. Dialogues de sourds: traité de rhétorique antilogique. Paris: Mille et une nuits, 2008.

______. La Parole pamphlétaire: Typologie des discours modernes. Paris: Payot, 1982.

______. O discurso social e as retóricas da incompreensão: consensos e conflitos na arte de (não) persuadir. São Carlos: EduFSCar, 2015.

ARISTÓTELES. Retórica. Trad. Marcelo Silvano Madeira. São Paulo: Riddel, 2007.

BAKHTIN, Mikhail (VOLOCHÍNOV). Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 2014.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

______. Para uma filosofia do ato responsável. Trad. Valdemir Miotello e Carlos A. Faraco. São Carlos: Pedro & João editores, 2010.

______. Problemas da poética de Dostoiévski. Trad. Paulo Bezerra. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2013.

BRAIT, Beth; MACHADO, I. O encontro privilegiado entre Bakhtin e Dostoiévski num subsolo. Bakhtiniana, São Paulo, n. 6 v.1, p. 24-43, ago./dez., 2011.

BRASIL. SENADO FEDERAL DO BRASIL. COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS (CDH). Audiência Pública: Ata da 96ª reunião (extraordinária) da comissão permanente de direitos humanos e legislação participativa, da 1ª sessão legislativa ordinária da 54ª legislatura. Brasília: Senado Federal, 2011. Disponível em . Acesso em 15 jul. 2014.

CLARK, K.; HOLQUIST, M. Mikhail Bakhtin. São Paulo: Perspectiva, 2004.

DAMÁSIO, A, R. El error de Descartes: la razón de las emociones. Barcelona: Editorial Andres Bello, 1999.

DUCROT, Oswald. Dizer e o dito. Campinas, SP: Pontes, 1987.

______; ANSCOMBRE, J.C. La argumentación en la lengua. Madrid: Editorial Gredos, 1994 [1988].

HERÁCLITO. Fragmentos contextualizados. Tradução, apresentação e comentários: Alexandre Costa. Rio de Janeiro: Difel, 2002.

MAINGUENEAU, Dominique. Gênese dos discursos. São Paulo: Parábola, 2008.

______. La sémantique de la polemique: discours religieux et ruptures idéologiques au XVII siècle. Lausanne: L’Age d’homme, 1983.

NASCIMENTO, Silva, Lucas. Análise dialógica da argumentação: a polêmica entre afetivossexuais reformistas e cristãos tradicionalistas no espaço político. 2018. 557f. (Doutorado em Língua e Cultura) - Instituto de Letras, Programa de Pós-Graduação em Língua e Cultura, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2018.

NEVES, Daniel Monteiro. Debates orais no Supremo Tribunal Federal: um modelo de interação polêmica. (Doutorado em Estudos Linguísticos) - Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos (PosLin), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, 2017.

ORECCHIONI, Catherine Kerbrat. La polémique et ses définitions. In: Gelas, NADINE; ORECCHIONI, C. K. Le Discours polémique. Lyon: P. U. V, 1980.

PASCAL, Blaise. Pensamentos. 2ªed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

PERELMAN, Chaim; OLBRECHTS-TYTECA, Lucie. Tratado da argumentação: a nova retórica. Trad.s de Maria Ermantina de Almeida Prado Galvão. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

PLANTIN, Christian. Des polémistes aux polémiqueurs. In: Declercq, GILLES; MURAT, Michel; DANGEL, Jacqueline. La parole polémique. Paris: Éditions Champion, 2003.

______. Les bonnes raisons des émotions: príncipes et méthode pour l’étude du discours émotionné. Bern: Peter Lang, 2011.

RABATEL, Alain. Homo Narrans: por uma abordagem enunciativa e interacionista da narrativa. Volume 1: Pontos de Vista e lógica da narração - teoria e análise. São Paulo: Cortez, 2016.

SANTOS, Elmo. Enunciados d’Os Sertões. In: SANTOS, Elmo. Transdiscursividades: linguagem, teorias e análises. Salvador: EDUFBA, 2012.

SCHELER, Max. Esencia y forma de la simpatia. Buenos Aires: Editorial Losada, 1942.

______. Ética: nuevo ensaio de fundamentación de un personalismo ético. Madrid: Caparrós Editores, 2001.

______. Ordo amoris. Trad. Xavier Zubiri. Madrid: Caparros Editores, 2008.

SOWELL, Thomas. Conflito de visões: origens ideológicas das lutas políticas. São Paulo: É realizações, 2012.

TOULMIN, Sthephen. Os usos do argumento. São Paulo: Martins Fontes, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321-11395

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrepalavras © 2012. Todos os direitos reservados.
Av. da Universidade, 2683, Benfica, CEP 60020-180, Fortaleza-CE | Fone: (85) 3366.7629
Creative Commons License
Entrepalavras está licenciada sob Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0.