Formação de professores de Letras: o estágio como possibilidade de desenvolvimento acadêmico e profissional

Avany Aparecida Garcia, Marta Chaves, Vinícius Stein

Resumo


Consideramos, neste artigo, perspectivas legais e teórico-metodológicas relativas à formação inicial na área de Letras, destacando as contribuições do estágio supervisionado como espaço de vivência teórica e prática para o desenvolvimento profissional. Objetivamos contribuir com os debates e estudos contemporâneos relativos à demanda vigente de uma formação inicial de professores pautada em critérios científicos. Para tanto, amparamos nossas ponderações nos pressupostos da Teoria Histórico-Cultural, reconhecendo a possibilidade de formar os futuros professores em uma concepção de educação humanizadora e instrumentalizá-los para uma prática pedagógica que favoreça o máximo desenvolvimento dos escolares, o que poderá ser vivenciado desde a realização do estágio.


Palavras-chave


Formação de professores. Teoria Histórico-Cultural. Estágio.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, N. F. G. do. Proposta para a formação de professores ribeirinhos no Estado de Rondônia. Revista Exitus, V. 2, n. 1, Jan./Jun. 2012. Disponível em: Acesso em: 20 mai. 2018.

BAGNO, M. A inevitável travessia: da prescrição gramatical à educação linguística. In: BAGNO, M., STUBBS, M., GAGNÉ, G. Língua materna: letramento, variação e ensino. São Paulo: Parábola, 2002.

BRASIL. INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA – Inep/MEC. Instrumento de Avaliação de cursos de graduação Presencial e a distância – Autorização. Brasília, 2017a. Disponível em: Acesso em: 12 mai. 2018.

BRASIL. INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA – Inep/MEC. Instrumento de Avaliação de cursos de graduação Presencial e a distância – Reconhecimento, Renovação de Reconhecimento. Brasília, 2017b. Disponível em: Acesso em: 12 mai. 2018.

BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO/MEC. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP 1, de 9 de agosto de 2017c. Altera o Art. 22 da Resolução CNE/CP nº 2, de 1º de 2015, que define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior e para a formação continuada. Brasília. DOU, 10 ago. 2017.

BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO/MEC. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP 2, de 1º de julho de 2015. Define as diretrizes curriculares nacionais para a formação inicial em nível superior e formação continuada. Brasília. DOU, 2 jul. 2015.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR. Manual de verificação in loco das condições institucionais: credenciamento de instituições não universitárias; autorização de cursos superiores (ensino presencial e a distância). Brasília, 2002. Disponível em: Acesso em: 12 mai. 2018.

BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Parecer CNE/CES 492, de 03 de abril de 2001. Diretrizes curriculares para os cursos de Letras. Brasília, DOU 9 jul. 2001.

BRASIL. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa. Brasília: MEC/SEF, 1998.

CAGLIARI, L. C. Alfabetização e Linguística. 7.ed. São Paulo: Scipione, 1994.

CHAVES. M. Desafios da formação de professores no estado do Paraná: das políticas públicas às contribuições da teoria histórico-cultural. In: ANAIS DO XII CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, v. 1, p. 16684-16695, 2015. Disponível em: Acesso em: 16 mai. 2018.

CHAVES. M. Formação Contínua e Práticas Educativas: possibilidades humanizadoras. In: CAÇÃO, M. I.; MELLO, S. A.; SILVA, V. P. (Org.). Educação e desenvolvimento humano: contribuições da abordagem Histórico-Cultural para a educação escolar. 1.ed. Jundiaí: Paço Editorial. v. 1, 2014. p. 119-139.

DUARTE, N. O debate contemporâneo das teorias pedagógicas. In: MARTINS, L. M.; DUARTE, N., orgs. Formação de professores: limites contemporâneos e alternativas necessárias [online]. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. Disponível em: Acesso em: 17 mai. 2018.

FACCI, M. G. D; LEONARDO, N. S. T; SILVA, R. G. D. O trabalho e a formação do professor nos anais da ANPED: uma análise a partir da psicologia histórico-cultural. InterMeio: revista do Programa de Pós-Graduação em Educação, Campo Grande, MS, v. 16, n. 31, p. 216-237, jan./jun. 2010. Disponível em: Acesso em: 17 mai. 2018.

GARCIA, A. A. As variações linguísticas em sala de aula: especificidades da Amazônia. Entrepalavras, v. 2, p. 245-269, 2012. Disponível em: Acesso em: 24 mai. 2018.

GARCIA. et al. A produção de texto na sala de aula. 36 f. TCC (Licenciatura em Letras) – UNIR/RO. Ariquemes, 2011.

GERALDI, J. W. O texto na sala de aula. 5.ed. Cascavel: Assoeste, 1990.

HILA, C. V. D. A contribuição da teoria da atividade de Leontiev para a apropriação de gêneros textuais nas séries iniciais. In: Anais. V SIGET – SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ESTUDOS DE GÊNEROS TEXTUAIS. Caxias do Sul, ago., 2009, p.2-24. Disponível em: Acesso em: 24 mai. 2018.

LEONTIEV, A. O desenvolvimento do psiquismo. São Paulo: Mores, 1978.

LIBÂNEO, J. C. Formação de professores e didática para o desenvolvimento humano. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 40, n. 2, abr./jun. 2015. Disponível em: Acesso em: 25 mai. 2018.

LIBÂNEO, J. C. O ensino da Didática, das metodologias específicas e dos conteúdos específicos do ensino fundamental nos currículos dos cursos de Pedagogia. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 91, n. 229, p. 562-583, set./dez. 2010. Disponível em: Acesso em: 24 mai. 2018.

LIBÂNEO, J. C. A aprendizagem escolar e a formação de professores na perspectiva da psicologia histórico-cultural e da teoria da atividade. Educar, Curitiba: Editora UFPR, n. 24, p. 113-147, 2004. Disponível em: Acesso em: 16 mai. 2018.

LURIA, A. R. Pensamento e linguagem: as últimas conferências de Luria. Tradução de Diana Myriam Lichtenstein e Mário Corso. Porto Alegre: Arte Médicas, 1986.

MÉSZÁROS, I. A Educação para além do capital. 2. ed. Trad. Isa Tavares. São Paulo: Boitempo, 2008.

PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e formação de professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 1996.

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e docência: diferentes concepções. Revista Poíesis – Vol. 3, Números 3 e 4, p.5-24, 2005/2006. Disponível em: Acesso em: 17 mai. 2018.

POSSENTI, S. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1996.

RIBEIRO, L. R. J. Pensamento e linguagem nas teorias histórico-cultural e sociocultural: contribuições para o ensino da língua materna 106 f. Tese (Doutorado) – PUC/GO. Departamento de Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação. Goiânia, 2011. Disponível em: Acesso em: 17 mai. 2018.

SAVIANI, D. Pedagogia Histórico-crítica: primeiras aproximações. 11. ed. rev – Campinas, SP: Autores Associados, 2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA. Projeto Pedagógico do Curso de Letras. RO. Guajará-Mirim, 2017. Disponível em: Acesso em: 18 mai. 2018.

VIGOTSKI, L. S. Imaginação e criação na infância. Tradução de Zoia Prestes. São Paulo: Ática, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321-31298

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrepalavras © 2012. Todos os direitos reservados.
Av. da Universidade, 2683, Benfica, CEP 60020-180, Fortaleza-CE | Fone: (85) 3366.7629
Creative Commons License
Entrepalavras (ISSN: 2237-6321) está licenciada sob Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0.