A atividade docente à luz de categorias da semântica do agir em relatórios de estágio

Diana Ribeiro Guimarães, Regina Celi Mendes Pereira

Resumo


Os relatórios produzidos pelo graduando para atender às exigências de avaliação, na disciplina de Estágio Supervisionado (ES), após a regência das aulas, são extremamente valiosos, uma vez que materializam, através da ação de linguagem, os diversos desafios enfrentados pelo aluno, durante o processo de experienciar a prática docente, assim como possibilita uma apreciação sobre os elementos que configuram o agir docente, isto é, as razões, as intenções e os recursos mobilizados por esse ator. Tendo isso em vista, elegemos como objetivo deste estudo analisar as categorias da Semântica do Agir e seu entrelaçamento com as modalizações em relatórios de Estágio Supervisionado de formação inicial em ensino de Língua Portuguesa. Para cumprir este objetivo, adotamos uma orientação teórico-metodológica que se pauta nos pressupostos do Interacionismo Sociodiscursivo (BRONCKART, 2012, 2006 2008; MACHADO; BRONCKART, 2009), nas Ciências do Trabalho (AMIGUES, 2004; CLOT, 2007) e na Linguística Aplicada (MOITA LOPES, 2006), para os quais o agir e a linguagem exercem um papel fundamental no desenvolvimento humano. Dentre os resultados obtidos, interpretamos que a prática do ES é de extrema valia para os estagiários iniciantes, os quais estão se apropriando do gênero da atividade e constituindo sua identidade profissional, para que possam conhecer de perto a realidade das escolas, onde poderão atuar futuramente, e refletir criticamente sobre os recursos utilizados, sobre as necessárias renormalizações e até sobre o profissional que não deseja ser. Quanto à ordem linguística, constatamos que houve o uso de modalidades pragmáticas, apreciativas e deônticas aliadas à categoria do agir finalidades.


Palavras-chave


Semântica do Agir. Linguagem. Estágio docente. Relatório.

Texto completo:

PDF

Referências


AMIGUES, R. Trabalho do professor e trabalho de ensino. In: MACHADO. A. R. O ensino como trabalho: uma abordagem discursiva. Londrina: Eduel, 2004. p. 35-53.

BELTRÃO, O.; BELTRÃO, M. Correspondência: linguagem e comunicação oficial, comercial, bancária e particular. 20 ed. São Paulo: Atlas, 1998.

BRONCKART, J. P. Atividade de linguagem, textos e discursos: por um interacionismo sócio-discursivo. Tradução Anna Rachel Machado. 2. ed. São Paulo, EDUC, 2012.

_______. Atividade de linguagem em relação à língua – homenagem à Ferdinand de Saussure. In: GUIMARÃES, A. M. M; MACHADO, A. R.; COUTINHO, A. (Orgs.). O interacionismo sociodiscursivo. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2007.

______. Atividade de linguagem, discurso e desenvolvimento humano. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2006.

_______. O agir nos discursos: das concepções teóricas às concepções dos trabalhadores. Campinas: Mercado das Letras, 2008.

CLOT, Y. A função psicológica do trabalho. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2007.

LEURQUIN, E. V. L. F. O gênero acadêmico relatório na formação inicial do professor de língua materna. In: BUENO, L., LOPES, M. A. P. T., CRISTOVÃO, V. L. L. (Orgs.). Gêneros textuais e formação inicial: uma homenagem à Malu Matêncio. Campinas: Mercado de Letras, 2013. p. 281-299

MACHADO, A. R. O ensino como trabalho: Uma abordagem discursiva. Londrina: Eduel, 2004.

MACHADO, A. R.; BRONCKART, J.P. (Re-)configurações do trabalho do professor construídas nos e pelos textos: a perspectiva metodológica do Grupo ALTERLAEL. In: MACHADO, A. R. et. al. Linguagem e Educação: o trabalho do professor em uma nova perspectiva. ABREU-TARDELLI, L. S.; CRISTOVÃO, V. L. L. (Orgs). Campinas: Mercado de Letras, 2009. p. 31-77.

MEDRADO, B. P. Tornando-se professor: a compreensão de graduandos em Letras sobre a atividade educacional. In: MEDRADO. B. P., REICHMANN, C. L. (Orgs.) Projetos e práticas na formação de professores de Língua Inglesa. João Pessoa: Editora Universitária da UFPB, 2012. p. 151-169.

MENEZES, R.L. C. de.; MEDRADO, B. P. Formação em psicologia clínica: o estágio supervisionado como atividade potencial de desenvolvimento profissional. InterScientia, João Pessoa, v. 1, n. 2, p. 37-51, maio/ago. 2013.

MILLER, I. K. Formação de professores de línguas: da eficiência à reflexão crítica e ética. In: LOPES, L. P. da M. (Org.). Linguística Aplicada na modernidade recente: festschrift para Antonieta Celani. São Paulo: Parábola, 2013. p. 99-121.

MIRANDA, M. I. Ensino e pesquisa: o estágio como espaço de articulação. In: SILVA, L. C.; MIRANDA, M. I. O estágio supervisionado e prática de ensino: desafios e possibilidades. Araraquara: Junqueira & Marin – Belo Horizonte: FAPEMIG, 2008.

MOITA LOPES, L. P. (Org.). Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. 279p.

NASCIMENTO, E. A modalização deôntica e suas peculiaridades semântico-pragmáticas. Fórum Linguístico, Florianópolis, v. 7, n. 1, p. 30-45, jan-jun, 2010.

NOUROUDINE, A. A linguagem: dispositivo revelador da complexidade do trabalho. In: SOUZA-E-SILVA, M. C. P.; FAÏTA, D. (Orgs.). Linguagem e Trabalho: construção de objetos de análise no Brasil e na França. São Paulo: Cortez Editora, 2002. p. 17-30.

RODRIGUES, M. A. N. As (re)configurações sobre o trabalho docente em relatórios de estágio. 2011. 216 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2011. 

PIMENTA, S. G; LIMA, M. S. L. Estágio e docência. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

TELLES, J. “É pesquisa, é? Ah, não quero, não, bem!” Sobre pesquisa acadêmica e sua relação com a prática do professor de línguas. Linguagem e Ensino. v. 5, n. 2, p. 91-116, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321-31275

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrepalavras © 2012. Todos os direitos reservados.
Av. da Universidade, 2683, Benfica, CEP 60020-180, Fortaleza-CE | Fone: (85) 3366.7629
Creative Commons License
Entrepalavras (ISSN: 2237-6321) está licenciada sob Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0.