Uma abordagem semiótica sobre o gênero de divulgação científica

Carolina Mazzaron de Castro, Jean Cristtus Portela

Resumo


Neste trabalho, propomos discutir a noção de gênero do ponto de vista semiótico, a partir do estudo da revista Actes Semiótiques (AS), cuja história está ligada ao surgimento da semiótica discursiva na França. Nosso objetivo é verificar de que forma esse periódico configura o gênero e a prática de divulgação científicos à luz dos critérios de análise textuais e discursivos propostos por J. Fontanille para o estudo do gênero. Considerando que a divulgação científica, como propõe S. Grillo, se faz por meio de gêneros sincréticos e, portanto, é formada pela relação entre o verbal e o não verbal, no plano do conteúdo e no plano da expressão, encontramos na AS todos os elementos que caracterizam a divulgação científica (textualidade verbal, diagramação, ilustração, etc.). O caso da AS é exemplar de como a internet enquanto suporte de periódicos científicos permite a construção de um enunciatário que não apenas lê, mas pratica a atividade científica: pesquisa, cruza dados e indexa autores e temas.


Palavras-chave


Actes Sémiotiques. Divulgação Científica. Práticas semióticas.

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

CUNHA, A. G. Dicionário etimológico Nova Fronteira da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1982.

DONDERO, Maria Giulia. Sémiotique de l’image scientifique. Signata: PULg, n. 1, 2010, p. 111-175.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Trad. Izabel Magalhães et al. Brasília: Editora [da] Universidade de Brasília, 2001.

FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. 3ª. ed. Rio de Janeiro: Regis, 2004.

FIORIN, José Luiz. Elementos de análise do discurso. 14ª Ed. São Paulo: Contexto, 2008.

FONTANILLE, J. Le genre. In: Sémiotique et littérature: Essais de méthode. Paris: PUF, 1999, p. 159-187.

_____. Significação e visualidade – exercícios práticos. Tradução de Elizabeth B. Duarte e Maria Lilia D. de Castro. Porto Alegre: Sulina, 2005.

_____. Semiótica do discurso. Tradução Jean Cristtus Portela. São Paulo: Contexto, 2007.

_____. Pratiques sémiotiques. Paris: PUF, 2008.

_____. “Médias, regimes de croyance et formes de vie”. In: OLIVEIRA, A. C. (Ed.). Como interações sensíveis. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2012. p.131-148.

GREIMAS, A. J. Maupassant: a semiótica do texto: exercícios práticos. . Trad. Teresinha

Michels e Carmen Gerlach. Florianópolis: Editora [da] UFSC, 1993.

GREIMAS, A. J; COURTÉS, J. Dicionário de Semiótica. São Paulo: Contexto, 2012.

GRILLO, S. V. C. 2008. Gêneros primários e gêneros secundários no círculo de Bakhtin: implicações para a divulgação científica. Alfa: Revista de Linguística. São Paulo 52 (1): p. 57-79, 2008.

HJELMSLEV, L. Prolegômenos a uma teoria da linguagem. São Paulo: Perspectiva, 2006.

JABOBI, D. Textes et images de la vulgarisation scientifique. Berne: Peter Lang, 1987.

PORTELA, J. P. Semiótica midiática e níveis de pertinência. In: Diniz, Maria Lúcia Vissotto Paiva; Portela, JeanCristtus (org.). Semiótica e mídia: textos, práticas, estratégias. Bauru, SP: Unesp/Faac, 2008. p. 93-113

PORTELA, J. C; SCHWARTZMANN, M. N. A noção de gênero em semiótica. In: Portela, Jean Cristtus; Beividas, W.; Lopes, Ivã Carlos; Schwartzmann, Matheus Nogueira (Orgs.). Semiótica: Identidades e diálogos. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012. p. 69-98.

SCHWARTZMANN, M. N. Cartas marcadas: Prática epistolar e formas de vida na correspondência de Mário de Sá-Carneiro. Tese de doutorado. Araraquara, Faculdade de Ciência e Letras de Araraquara, Universidade Estadual Paulista, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321-21228

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrepalavras © 2012. Todos os direitos reservados.
Av. da Universidade, 2683, Benfica, CEP 60020-180, Fortaleza-CE | Fone: (85) 3366.7629
Creative Commons License
Entrepalavras (ISSN: 2237-6321) está licenciada sob Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0.